por Daniel Ruy Pereira

Isaac Watts (1674-1748, Southampton, Inglaterra) foi um escritor de hinos (maravilhosos) que escreveu mais de 700 hinos ao longo da vida. Alguns de seus hinos têm tradução para o português, mas, até hoje, ainda não vi uma tradução portuguesa ou brasileira do “When I Survey the Wondrous Cross” (1707), que é um dos hinos mais lindos que já li/ ouvi/ cantei. Então decidi fazê-la, já que o assunto da “maravilhosa cruz” não tem saído de minha mente ultimamente.

Há várias histórias sobre este hino. Dizem que o grande Charles Wesley (irmão do John, fundador da Igreja Metodista), também escritor de hinos, disse que “daria todos os outros hinos para ter escrito este”. Outra história, provavelmente mais lendária (2), conta o seguinte:

“Em certa tarde de domingo, o jovem Isaac Watts reclamava dos hinos deploráveis que eram cantados na igreja (…). Seu pai, o pastor da igreja, o desafiou: ‘Gostaria de ver você escrever algo melhor!’ Diz a lenda que Isaac foi para o seu quarto; apareceu várias horas depois com seu primeiro hino, que foi entusiasticamente recebido pela igreja, naquela mesma noite, na reunião de Domingo à noite.

Nessa época de crise artística da igreja brasileira, não faria nenhum mal (pelo contário, faria um bem danado) revisitar e voltar a cantar hinos como este. Assim, publico minha tradução. Em itálico, no início, está a tradução de um refrão contemporâneo para a canção, cujo compositor desconheço. Resolvi colocá-lo como epígrafe.


Vejo a maravilhosa cruz
Isaac Watts
Tradução de Daniel Ruy Pereira

Ó, maravilhosa cruz! Ó maravilhosa cruz!
Era o meu lugar, mas
Cristo quis me redimir

Ó maravilhosa cruz! Ó maravilhosa cruz!
Era o meu lugar, mas
Por que Jesus quis ir por mim?

Vejo a maravilhosa cruz.
Ali o Rei da Glória pereceu
O brilho do ouro perdeu a luz
E meu orgulho desapareceu

Não me permita vangloriar,
Senhor, pois, salvo fui em Jesus
O mundo jamais vai saciar
Os corações, por Ti, perplexos

Teu sangue, rosto, alma e ser
Fluem tristeza; escorrem amor!
Alguma vez veio a aparecer
Coroa com tal esplendor?

O carmesim desse teu sangrar
Corre, choroso, até o chão
O mundo, então, quero enterrar
(Diante de Ti, seus bens murcham)

Minha humana condição
O Senhor, um dia, abraçou
Amor divino! Grandiosa ação!
Exigem tudo o que eu sou…

A Cristo, que o pecado venceu
(Sua dor, suas chagas, redimem),
Seja o louvor do que renasceu
Pra todo sempre, e sempre, amém!

Referências

(1) WATTS, Isaac. “When I survey the wondrous cross”. Disponível em: http://www.cyberhymnal.org/htm/w/h/e/whenisur.htm. Acesso em 24 mar 2013

(2) WATTS, Isaac. “When I survey the wondrous cross”. Disponível em: http://www.hymnary.org/text/when_i_survey_the_wondrous_cross. Acesso em 24 mar 2013.

Anúncios