Astronomia

por Daniel Ruy Pereira

Não dá pra desenhar o céu
Porque não dá pra desenhar o cheiro do céu,
Nem o vento frio batendo no rosto
Nem as distâncias das estrelas;
Não dá pra sombrear o brilho da lua.
Não dá pra conhecer outros mundos.

Daqui eu vejo uma cúpula preta
E brinco de ligar pontos
De lá, eu vejo um ponto – “pálido e azul”, não?
Singular na imensidão da imensidão

Lá, a imaginação gosta de ir e ficar zanzando
Pra, quando voltar perceber que estamos trancados aqui –
Olhando pro parquinho, sem poder brincar.
(Os que podem fazem inveja pra gente,
trazendo cartões postais).

E o que o olho vê o coração sente
Sente que está longe demais,
Ínfimo demais e por demais ínfimo
A infinitude vem me dar um beijo
E me lembrar da aceleração crescente da finitude
E o ponto B que já vem chegando

Quando chegar no destino,
e a linha não existir mais,
pra onde eu vou?
Mas por que pensar tanto na linha
quando o papel é tão amplo?

Tem alguma coisa lá… Eu sei que tem.
Tem Quem conseguiu desenhar o céu;
Traçando eternidade e sombreando antecipação
Artista que fez e Se fez Arte,
E habitou com suas obras.

Comente este artigo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s