Astronomia

Uma visão da Terra, a partir da Voyager 1, à distância de mais de 6 bilhões de quilômetros. A Terra é o pontinho no meio da faixa brilhante à direita. Imagem de NASA/JPL

Não dá pra desenhar o céu
Porque não dá pra desenhar o cheiro do céu,
Nem o vento frio batendo no rosto
Nem as distâncias das estrelas;
Não dá pra sombrear o brilho da lua.
Não dá pra conhecer outros mundos.

Daqui eu vejo uma cúpula preta
E brinco de ligar pontos
De lá, eu vejo um ponto – “pálido e azul”, não?
Singular na imensidão da imensidão

Lá, a imaginação gosta de ir e ficar zanzando
Pra, quando voltar perceber que estamos trancados aqui –
Olhando pro parquinho, sem poder brincar.
(Os que podem fazem inveja pra gente,
trazendo cartões postais).

E o que o olho vê o coração sente
Sente que está longe demais,
Ínfimo demais e por demais ínfimo
A infinitude vem me dar um beijo
E me lembrar da aceleração crescente da finitude
E o ponto B que já vem chegando

Quando chegar no destino,
e a linha não existir mais,
pra onde eu vou?
Mas por que pensar tanto na linha
quando o papel é tão amplo?

Tem alguma coisa lá… Eu sei que tem.
Tem Quem conseguiu desenhar o céu;
Traçando eternidade e sombreando antecipação
Artista que fez e Se fez Arte,
E habitou com suas obras.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

About these ads

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s