Deus criou vida em outros planetas? Se não criou, por que o universo é tão grande?

Artigo traduzido de: Creation 29(2):12–15 Março 2007. Título original: “Did God create life on other planets? Otherwise why is the universe so big?”. Copyright Creation Ministries International Ltda, <www.creation.com>. Usado com permissão. Tradução de Daniel Ruy Pereira.

por Gary Bates

Imagem StockxpertAqueles que crêem que a vida evoluiu na Terra normalmente vêm o seguinte como, virtualmente, um “fato”: a vida teria evoluído em outros incontáveis planetas. Descobrir vida em outros planetas seria, por sua vez, a confirmação de sua fé evolucionista.

Mas há muitos cristãos que pensam: “Deus deve ter criado vida em outro lugar, caso contrário este enorme universo seria um tremendo desperdício de espaço.” Porém, nosso pensamento deveria estar baseado naquilo que Deus disse que fez (na Bíblia), e não naquilo que pensamos que Ele teria ou deveria ter feito.

Em primeiro lugar, uma vez que Deus é Aquele que fez o universo, este poderia não Lhe parecer tão “grande”. Os humanos não conseguem entender a grandeza do universo porque nossa compreensão é limitada às dimensões espaço/tempo criadas, dentro das quais existimos, e é de quebrar a cabeça tentar compreender qualquer coisa que vá além disso. O próprio tempo começa com a criação do universo físico, mas como podemos compreender a eternidade? O que havia “antes” do universo? Semelhantemente, como podemos entender o quão “grande” é Deus? Nós não podemos usar uma fita de medição, feita de átomos, para medi-lo.

A Bíblia e os ETs

Frequentemente se pergunta: “Só porque a Bíblia ensina que Deus criou vida inteligente somente na Terra, porque isso significaria que Ele não poderia tê-la criado em outro lugar?” Afinal, a Bíblia não fala a respeito de tudo. Por exemplo, não fala de automóveis. Porém, a objeção bíblica aos ETs não é um argumento meramente silencioso. Mais que isso, entender a totalidade da mensagem bíblica/evangélica nos permite concluir claramente que a razão pela qual a Bíblia não menciona extraterrestres (ETs) é porque eles não existem (1).

1. A Bíblia indica que toda a criação geme e sente dores de parto por causa do peso do pecado (Romanos 8:18-22). O efeito da maldição causada pela Queda de Adão foi universal (2). Caso contrário, qual seria a razão de Deus destruir toda a sua criação para criar novos céus e nova Terra – 2 Pedro 3:13; Apocalipse 21:1ss? Portanto, qualquer ET, vivendo em qualquer lugar, teria sido (injustamente) afetado pela Maldição Adâmica, mesmo sem ter cometido qualquer pecado – ele não teria herdado a natureza pecaminosa de Adão.

2. Quando Cristo (Deus) encarnou, Ele veio à Terra não apenas para redimir a humanidade, mas também reconciliar consigo toda a criação (Romanos 8:21; Colossenses 1:20). Portanto, a morte redentora de Cristo no Calvário não poderia salvar hipotéticos ETs, porque eles precisariam ser descendentes de Adão para que Cristo fosse o seu “Redentor” (Isaías 59:20). Jesus foi chamado “o último Adão” porque houve um primeiro Adão real, humano (1 Coríntios 15:22,45) – não um primeiro Vulcan, Klingon (N.T. raças criadas na série Star Treck) etc. Foi assim que um Substituto humano, sem pecado, sofreu a punição que todos os homens merecem pelos seus pecados (Isaías 53:6,10; Mateus 20:28; 1 João 2:2, 4:10), sem necessidade de remissão para os próprios pecados (que são inexistentes, Hebreus 7:27).

3. Uma vez que isso significaria que qualquer ET estaria perdido pela eternidade, pois esta atual criação será destruída em fogo ardente (2 Pedro 3:10,12), alguns têm pensado que o sacrifício de Cristo pode ter se repetido por outros seres. Porém, Cristo morreu uma vez (Romanos 6:10; 1 Pedro 3:18) na Terra. Ele não será crucificado e ressuscitado novamente em outros planetas (Hebreus 9:26). Isso é confirmado pelo fato de a igreja redimida (terrestre) ser conhecida como a noiva de Cristo (Efésios 5:22-33; Apocalipse 19:7-9), em um casamento que durará eternamente (3). Cristo não será um polígamo com muitas outras noivas de vários outros planetas.

4. A Bíblia não dá suporte à idéia de que Deus iria redimir quaisquer outras espécies, nem mesmo anjos caídos (Hebreus 2:16).

Encaixando-os lá… de algum modo!

Uma tentativa de encaixar os ETs na Bíblia baseia-se no versículo 3 do capítulo 11 de Hebreus: “Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente.”

A palavra “mundos” aparece na tradução King James (4) e algumas outras, e alguns afirmam que ela se refere a outros planetas habitáveis. Porém, a palavra é αιών (aiōn), da qual derivamos a palavra “eon”. Por isso, traduções modernas traduzem a palavra como “universo” (todo o continuum espaço-tempo) porque ela corretamente descreve “tudo o que existe no tempo e espaço, visível e invisível, presentes e eternos”. Mesmo se ela estiver se referindo a outros planetas, é uma extrapolação injustificada presumir que há vida inteligente neles.

Outro argumento é a passagem de João 10:16, na qual Jesus diz: “Tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz; e haverá um rebanho e um Pastor.” Contudo, mesmo um astrônomo crente em ETs, do Vaticano (uma “testemunha hostil” à “causa da inexistência dos ETs”), um padre jesuíta chamado Guy Consalmagno, reconhece: “No contexto, essas ‘outras ovelhas’ são presumivelmente uma referência aos gentios, não aos extraterrestres.” (5) O ensino de Jesus era causa de divisão entre os judeus (v.19), porque eles sempre acreditaram que a salvação de Deus era somente para eles. Jesus estava reafirmando que Ele seria o Salvador de toda a humanidade.

Uma abordagem romântica

Uma idéia mais recente permite que os ETs surjam da necessidade de se proteger o cristianismo no caso de uma eventual visitação alienígena real à Terra. Michael S. Heiser é um ufólogo/orador cristão influente, com Ph.D. em Hebraico Bíblico e Linguagens Semíticas Antigas. Ele afirma que os argumentos acima podem não se aplicar a alienígenas criados por Deus. Por não serem descendentes de Adão, eles não herdam sua natureza pecaminosa, e portanto, não são moralmente culpados ante Deus. Assim como os coelhos na Terra, eles não precisam de salvação – mesmo que eles morram, não vão nem para o céu, nem para o inferno.

À primeira vista, parece um argumento irresistível; afinal, anjos caídos são inteligentes, mas estão além da salvação (Hebreus 2:16). Porém, anjos são imortais e não são de nossa dimensão corpórea. E os ETs em espaçonaves de Heiser exigem um nível de inteligência não encontrado nos coelhos. Isso acentua severamente a injustiça de sofrerem os efeitos da Maldição, incluindo a morte e, em última análise, a extinção quando os céus retirarem-se “como um livro que se enrola” (Apocalipse 6:14). Também parece bizarro não atribuir responsabilidade moral para as ações de seres altamente inteligentes.

Heiser também afirma que ETs muitíssimo inteligentes não tomariam a posição da humanidade como seres criados à imagem de Deus, porque “imagem” significa apenas humanos tendo sido colocados como representantes de Deus na Terra.

Todavia, a Bíblia diz que nós fomos feitos à Sua imagem e semelhança (Gênesis 1:26). O homem foi criado totalmente inteligente a cerca de 6000 anos atrás, tendo se envolvido com artesanato logo depois (Gênesis 4:22). Desde aquele tempo, não fomos capazes de desenvolver tecnologias avançadas o bastante para viajarmos para outros sistemas solares. Se os alienígenas fossem capazes de desenvolver incríveis espaçonaves, mais rápidas que a velocidade da luz, necessárias para se chegar aqui, presume-se que eles tenham sido criados com inteligência vastamente superior à nossa – o que os faria muito mais imagem e semelhança de Deus, nesse sentido, que nós. Ou então, foram criados muito antes dos 6000 anos do padrão bíblico de seis dias; os alienígenas teriam sido criados antes do homem e teriam tido tempo suficiente para desenvolver suas tecnologias. Porém, Deus criou a Terra no Primeiro Dia e depois os corpos celestes, no Quarto Dia.

Influenciado pelo que está fora da Biblia

Embora Heiser não promova a evolução teísta, ele é simpatizante de um universo de bilhões de anos, como proposto pelo criacionista progressista Dr. Hugh Ross (6). Teoricamente, esse seria o tempo necessário para quaisquer ETs não vistos desenvolverem as tecnologias do tipo quase-ficção-científica, essenciais para chegarem aqui. Mas esse é um raciocínio circular.

Porém, há um grande problema para o Evangelho nestas longas eras. Primeiro, é importante entender que longas eras derivam da crença que camadas de rochas sedimentares na Terra representam eons de tempo (7). O que, por sua vez, deriva-se da suposição dogmática de que não houve atos especiais de criação ou dilúvio universal, por isso as características da Terra devem ser explicadas por processos que são vistos operando agora (8). Essa filosofia do uniformitarismo parece cumprir perfeitamente a profecia do apóstolo Pedro, registrada em 2 Pedro 3:3-7.

O conflito com o Evangelho acontece porque essas mesmas camadas rochosas contêm fósseis – um registro de seres mortos, que revela evidências de violência, doença e sofrimento. Assim, partindo de um ponto-de-vista de milhões de anos, mesmo sem evolução, colocamos a morte e o sofrimento muito antes da Queda de Adão. Isto desestabiliza o Evangelho e as razões pelas quais Cristo veio ao mundo – tais como reverter os efeitos da Maldição.

O “ranking” da criação

No Salmo 8:5 lemos que o homem foi feito um pouco menor que os anjos e coroado com glória e honra. Heiser disse que a salvação é baseada em um ranking, não em inteligência. Mas, se fosse assim, onde os ETs ficariam nessa injusta ordem (que não os menciona)? Seriam eles maiores que o homem, e menores que os anjos, por exemplo? Se estes avançados ETs fossem capazes de visitar a terra, a humanidade estaria sujeita ao seu domínio. (Mesmo se esses ETs fossem amigáveis, seriam potencialmente muito mais poderosos por causa de sua inteligência e tecnologia.) Isso estaria em contradição direta com a estrutura de autoridade estabelecida por Deus quando ele ordenou à humanidade “dominar” sobre a terra – o que é também conhecido como mandamento de domínio (Gênesis 1:28).

Sendo inspirado a temer

O Salmo 19:1 nos dá a maior razão da grandeza do universo: “Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra de suas mãos.”

Isso nos lembra que, quanto mais descobrimos acerca deste incrível universo, mais deveríamos temer Aquele que o criou. É sobre Ele que deveríamos estar pensando, não em alienígenas imaginários, que nunca vimos.

Poderia haver “vida simples” em algum lugar no espaço?

A totalidade da Bíblia parece excluir vida inteligente em qualquer lugar no universo de Deus (1, veja o texto principal). Mas e quanto a bactérias em outros planetas, por exemplo? É possível que Deus os tenha criado, mas extremamente improvável (2). Qual seria o seu propósito? O foco inteiro da criação é a humanidade nesta Terra; as formas de vida na bela biosfera equilibrada da Terra são parte do nosso sistema pró-vida criado.Imagem NASA.

Se fossem encontradas bactérias em algum lugar do sistema solar, isso seria visto como uma prova de que a vida pode “simplesmente evoluir” (3). Porém, nós antecipadamente previmos que, neste improvável evento, os organismos terão DNA e demais moléculas do mesmo tipo terrestre, consistentes com os originados aqui como contaminantes – carregados pelas recentes sondas feitas pelo homem, ou transportados por fragmentos de rocha expelidos da Terra por impactos de meteoritos.Imagem NASA. Duas sondas idênticas atravessam a superfície de Marte procurando por evidências de água. Pesquisadores evolucionistas estão procurando desesperadamente por sinais passados ou atuais de vida até mesmo microscópica.

Referências

1. Compare Grigg, R., Did life come from outer space? Creation 22(4):40–43, 2000; Bates, G., Alien Intrusion: UFOs and the evolution connection, Master Books, Arkansas, USA, 2004.

2. Sarfati, J., Conclusive evidence for life from Mars? Remember last time! <creationontheweb.com/mars>, 15 maio 2002.

3. Matthews, M., Space life? Answering unearthly allegations, Creation 25(3):54–55, 2003; <creationontheweb.com/space_life>.

Referências e notas

(1) Evidentemente, há seres celestiais. Estes foram criados bem cedo na Semana da Criação – chamados “filhos de Deus” e “estrelas da manhã” na poesia do livro de Jó, eles regozijaram e cantaram por ocasião da formação dos “fundamentos” da Terra. (Jó 38:7)

(2) Sarfati, J., The Fall: a cosmic catastrophe: Hugh Ross’s blunders on plant death in the Bible, Journal of Creation 19(3):60–64, 2005; <creationontheweb.com/plant_death>.

(3) A igreja foi comprada com o sangue de seu Salvador ferido no seu lado, uma clara analogia à primeira mulher, nascida da “costela” do lado de Adão.

(4) N.T. O autor se refere à King James original, em inglês. Em 2007 foi publicada no Brasil a versão King James Atualizada, pela Abba Press (somente o Novo Testamento). Ela traduz αιών como “universo”.

(5) Consolmagno, G., Humans are not God’s only intelligent works, <www.stnews.org/Commentary-891.htm>, 3 Janeiro 2006. Na verdade ele tomou o lado afirmativo em um debate com o Dr. Jonathan Sarfati, do CMI, cuja negativa está disponível em <www.stnews.org/Commentary-890.htm> (eles não viram os argumentos um do outro antes da publicação no liberal Science and Theology News).

(6) Ross acredita em criaturas semelhantes ao homem, destituídos de alma, anteriores a Adão, e similares, no status espiritual, aos hipotéticos ETs de Heiser. Para uma refutação completa das idéias de Ross, veja Refuting Compromise por Jonathan Sarfati Master Books, Arkansas, USA, 2004

(7) Henry, J.F., An old age for the earth is the heart of evolution, Creation Research Society Quarterly 40(3):164–172, December 2003.

(8) Mortenson, T., The Great Turning Point, Master Books, Arkansas, USA, 2004.

About these ads

78 comentários sobre “Deus criou vida em outros planetas? Se não criou, por que o universo é tão grande?

  1. Bom primeiro quero dizer q, a ordem de criação da bíblia é igual a cientifica só que mais simplificada, no livro de gênesis capitulo 1 (inteiro) tem toda ordem de criação, e ela fala que DEUS criou os animais mas n diz especificamente os mamíferos de hoje e os repitéis de hoje, em outras palavras DEUS criou os seres vivos, todos eles, sem mais nem menos, e mais Adão n é descrevido como igual a nós ele foi o primeiro homem mas não no sentido masculino mas s uma criação de DEUS com acesso total para conversar com DEUS como amigos ele iria comandar tudo na Terra, no firmamento e no resto, como o leão sendo “rei” das florestas, Einstein diz que os seres humanos evoluiram de uma espécie comum, um ancestral comum, essa teoria do ancestral comum fala que os animais evoluiram, mas foram criados de uma forma e chegaram ao que é hoje, o ancestral comum do homem foi Adão, dos macacos,elefantes,etc, foi o primeiro animal.

  2. claro que a biblia fala de automoveis! leia Naum 2 ; 4
    a biblia fala em I corintios que; nós somos ‘”espetaculo ao mundo`’ a os anjos e aos homens .
    mas os homens ja nao sao do mundo? por que repete duas vezes? no hebraico a palavra que foi traduzida para mundo era “cosmos” que em vez de ser mundo quer dizer universo. se diz universo e por que oltros seres de mundos nao caidos nos assistem com muita espectativa.
    e já naquele tempo os ceu ja era estudado por que os magos que foram visitar o menino jesus na verdade eram astrologos e nao magos mais naquelo tempo nao existia esse nome entao foram entitulados de magos porque eram sabios e inteligentes sabiam coisas do ceu que outros nao. estudem mais a biblia se for possivel compre um com traduçao hebraica.

  3. A terra é a ovelha perdida na qual se referia o nosso Salvador, entre tantos os planetas a terra vacila do outro lado da eternidade, somos observados pelos seres que habitam milhares e milhares de mundos não caídos, Eles não podem vir até nós, pois são puros e incontaminados, refletem a glória de Deus. Em contraponto o inimigo das almas, satanás tenta iludir a raça humana com disco voadores e outros. Preparando a humanidade para a grande cena de sua aparição como Cristo o Salvador, ele sabe que convencerá a muitos e muitos a segui-lo. Semelhante a Jesus, ele irá curar pessoas e ensinar a salvação, mas por traz de tudo um grande engano, o anticristo. Preparem-se, o dia se aproxima!!!

  4. Em 1977 foi lançadas Voyager 1 e Voyager 2 com objetivo de estudar Júpiter, saturno e Urano. 36 anos em sua jornada pelo espaço, a Voyager esta distante da terra 20 bilhões de quilômetros do Sol.
    Disco dourado da Voyager contém informações de áudio, variedade de músicas, saudações em 55 idiomas diferentes (incluindo línguas mortas),
    seleção de sons da natureza, incluem 122 imagens codificadas com instruções para decodificação, se houver vida inteligente fora da terra serão capazes de decodificar estas mensagens e aceitar o convite para visitar a terra.
    Deus fez o universo e tudo que o homem puder ver seja em mundos distantes ou não.
    O desconhecido pega de surpresa os incautos que confundem seres de mundos distantes como divindades superiores e passam a cultua-los.
    Seria o mesmo que astronautas saindo da terra fossem parar num planeta distante e confundidos com Deus ou Anjos.
    Bom não conheço a cultura alienígena mas seria mais ou menos assim, seja qual for seu credo religioso, talvez nem tenham.
    Não vamos fazer dos alienígenas seres tão especiais podem ter falhas iguais as nossas, podem ser agressivos ou amistosos, seja como for devemos ser cautelosos.
    Deus ama a todos nós terrestres ou alienígenas!

  5. Olá, quando se faz a pergunta se existe seres criados por Deus em outros planetas? O certo é perguntamos se Deus criou outros seres não caídos como nós, eu poderia cita aqui os anjos por exemplo mais vamos lê na Bíblia o que ela diz em (Jó 1:6-7), Os filhos de Deus que se apresentaram perante o Senhor … esses seres no qual a bíblia fala em filho de Deus, são seres celestiais na qual não se corromperam como nós, eu acredito que existe seres em outro universo criado por Deus, mas seres perfeitos. Ets na verdade tenta distorcer a criação divina pois fomos criados a semelhança e imagem de Deus.

    Daniel gostaria de dizer que li e gostei muito dos seus artigos, pois está dentro da palavra de Deus que é a Bíblia, essa é a única verdade que devemos acreditar.

    Que Deus te abençoe.

  6. Obrigado por ter postado esse artigo,não suportaria viver toda minha vida, me perguntando essas coisas. Você é muito inteligente,estou sinceramente muito impressionado.

  7. uma outra teoria para a existência de vida la fora é a seguinte, minha mãe sempre diz que deus se arrependeu de criar o homem pelo que ele fez e faz, destruindo, matando, desde o inicio dos tempos o homem faz coisas erradas e um exemplo disso foi adão e eva.
    bem, pensando em todos os erros que o homem já cometeu na terra eu acredito na possibilidade de ele talvez ter criado outros seres, pois tudo que ele criou na terra e no céu é perfeito mas o homem não é perfeito, sempre cometeu pecados embora deus saiba perdoar o homem não é perfeito e talvez por esse motivo ele buscou criar outros seres não sei se como o homem mas buscando a perfeição.
    não sei , isso é apenas uma teoria, mas o filme prometeus mostra bem o que eu to querendo explicar, a criação de um ser perfeito.
    no passado havia muitos milagres e deus falava com o homem porque havia muitos homens de fé escolhidos por deus para pregar a mensagem e ele se manifestava mais, não to dizendo que hoje em dia isso não possa acontecer mas hoje o homem só quer dinheiro, fama, idolos, e existem muitos ateus, pai que mata filho e filho que mata pai, filho que mata uma familia toda e o homem hoje perdeu o amor a vida, onde matar é apenas um trabalho e isso talvez tenha feito deus se afastar de nois embora o homem é inteligente mas usa isso para fazer o mau, para destruir, ae eu penso “e se fosse ao contrario, e se o homem na terra deixasse de lado o odio e usasse a inteligencia para o bem” deixasse de lado a riquesa que tem e usasse para ajudar os pobres e outras coisas que nos afetam.
    é tudo muito errado na terra. e pensando nisso deus pode ter realmente criado outros la fora buscando a perfeição,

  8. Bom dia daniel, já havia lido seu texto uma vez e perdi o site mas encontrei ontem e gostei muito a forma que você explica.
    bem, como todos já falaram sobre vida em outros planetas eu realmente acredito nisso mas a minha ideia sobre vida la fora é diferente, com tantos filmes de aliens de diversas formas que o homem já inventou acho dificil ter algum desse jeito ou homens como a gente já que como você falou jesus não nasceria varias vezes em varios lugares do universo.
    mas acredito que possa haver algum planeta onde exista flores, diferente das nossas, tempestades selvagens e oceanos impossiveis de navegar, ventos soprando intençamente, enfim, acredito que existem animeis dificeis de imaginar ou insetos em lugares como os que sitei, é algo dificil de dizer já que o universo é imenso mas se pensar no tamanho do universo em relação a o homem e em relação a deus é algo dificil de medir, algo dificil até de imaginar, por esse motivo se realmente existir ETs por ai pelo universo deus fez eles longe pra que o homem nunca possa toca-los e nem eles a nois, por isso a distancia colossal entre os planetas e estrelas e acredito que por isso não sitar eles na biblia.

    acho que pra cada criatura criada por deus uma historia diferente para cada mas com o mesmo fim, é dificil dizer isso, só deus sabe.

  9. Pingback: O que realmente aconteceu em Roswell? (Republicação) |

  10. Oi, Thiago!

    Não esqueci não, meu! E estava de férias, período durante o qual minha existência cessa e só volta depois que o período acaba!

    Devo responder dentro das próximas duas semanas. Tenho uma listinha aqui…

    Abraço,

    Daniel.

  11. Olá Daniel, tudo bem ?
    Peço desde já desculpa por esta sendo chato com esta questão. Mas penso que você tenha esquecido de responder a minha pergunta :/
    Aguardo a sua resposta anciosamente.
    Obrigado pela atenção!

  12. Olá Jéssica!

    Não me entenda mal: não sou eu quem coloca limites na criação de Deus. É Ele mesmo quem o faz. No universo que ELE criou, viagens interplanetárias, viagens acima da velocidade da luz e evolução (três pontos fundamentais para a crença em alienígenas) são impossíveis, fisica e biologicamente.

    Mas temos um problema maior, que é teológico. Veja, por exemplo, Jesus nos mandou pregar o evangelho a toda criatura (que seja capaz de entendê-lo, evidentemente). Ora, se existissem seres em outros planetas, deveríamos ir pregar para eles também. Mas não teríamos como obedecer, pois é impossível chegar até eles. E em mais 200 anos, para ser legal, não teríamos a tecnologia para ir para lá.

    Embora Deus tenha estabelecido coisas que não devamos saber, Ele permitiu que soubéssemos muitas coisas. O propósito do texto que você citou não é dizer o que não devemos saber, mas mostrar o que nós podemos saber. E podemos saber de tudo o que Deus não selou. Vida alienígena certamente estaria incluída em Seu plano salvífico, pelo qual a Igreja é responsável.

    Outra coisa: é preciso diferenciar entre o que cremos, o que a Bíblia nos ensina a crer e no que queremos crer. Muita gente quer crer em alienígenas porque, para parafrasear Carl Sagan, “a única coisa que torna o vazio insuportável é a certeza de que não estamos sós.” Para mim, a Igreja cumpre muito bem esse papel.

    Abraço,

    Daniel.

  13. Por que não haver vida em outros planetas, Deus é Deus ele faz o que ele quiser, deviamos ser gratos por ter um planeta para habitar e ar para respirar, e as pessoas ainda ficam reclamando dizendo que é algo impossivel, cara Deus sabe de todas as coisas, se existe vida em outros planetas, acredite tem um propósito, algo que óbiviamente agente nem sabe, por que não somos Deus, por isso antes de dizer se tem ou não, temos que começar a se desapegar um pouco, deixar de ser egoísta e acreditar, que só nós somos os seres mais Inteligentes e soberanos no universo, Pois só Deus é assim… Eu particularmente acredito em vida em outros planetas, certo eu admito que pode não haver indicios na bíblia mas, a coisas que não podemos saber, Como por exemplo em Apocalipse No capitulo 10:4 (Recomendo ler o capitulo todo), onde João diz: “Logo que falaram os sete trovões, eu ia escrever, mas ouvi uma voz do céu, dizendo: Guarda em segredo as coisas que os sete trovões falaram e não escrevas”, isso só mostra que tem coisas, que não devemos saber, se houver mesmo vida em outros planetas, Deus pode muito bem não querer nos revelar ainda, ele é Deus e como eu já devo ter falado ele Faz o que quiser, por que ele sabe de todas as coisas, e tudo é no tempo dele, então vamos apenas ter Fé em Deus, e não ficar colocando limites na sua criação.

  14. Olá, Makarov!

    Antes de tudo, uma correção: de acordo com Einstein e outros, viajar acima da velocidade da luz É impossível. Pelo seguinte: quanto maior a velocidade maior a energia que um corpo precisa para atingí-la. Ignorando o fato de que haveria uma distorção tamanha que o viajante seria deformado até à morte, existem vários outros problemas. Um deles é que, à velocidade da luz, uma colisão contra um grãozinho de poeira cósmica produziria uma colisão que, no mínimo, destruiria facilmente a nave. Esqueça esse negócio. É legal a Millenium Falcon fazer 5x a velocidade da luz e ser uma nave antiga, mas isso é fisicamente impossível. Descubra como eliminar a deformação de um corpo a altas velocidades e como eliminar os perigos das colisões iminentes e falamos de viagem espacial.

    Agora, ser perfeitamente possível existir vida no espaço, depende. Vida como conhecemos? Duvido. Quiça, vida que desconhecemos – porque não podemos esperar reconhecer como vida o que desconhecemos como vida… Sem contar, agora, os problemas relativos às distâncias e relação à sua estrela, a presença de água líquida, mecanismos de extração ou produção de energia, etc.

    Não estou limitando em nada a criação de Deus. Ele poderia ter criado vida no vácuo ou no sol, se quisesse, mas pelo que nos conta em Sua Palavra, não quis.

    Abraço,

    Daniel.

  15. É perfeitamente possível existir vida em outros planetas, não temos o direito e não podemos colocar restrições na criação de Deus, menos de 5 % do universo é conhecido, não existe um consenso no meio científico do que seria a “vida” pelo menos no sentido que conhecemos. Toda a física e matemática atual um dia precisará ser revista, tenho absoluta certeza de que um dia atingir velocidades acima da luz será possível, e então poderão explorar o universo e fazer descobertas incríveis.

  16. Olá Daniel! tudo bem ?

    Vim aqui te pedir um favor, como muitos que já pedi XD
    Por acaso o sr. poderia me expor toda a farsa do conteúdo que esta neste vídeo ?
    Essa Seita tem crescido muito, e por isso quero estar prevenido contra as armadilhas dela.
    Agradeço muito a sua atenção.
    Fiquei com DEUS.

  17. Pingback: Como um Deus de amor pode ordenar o extermínio de povos? |

  18. Olá, Francisco.

    Que lógica é essa? Havia 22 jogadores no campo de futebol, por isso existem 22 times no campeonato? Havia 500 tijolos, por isso existem 500 casas?

    Você não pode fazer uma afirmação dessas, recheada de concepções a partir de um texto como esse, ainda mais porque o texto é, claramente, uma visão e não é literal.

    Abraço,

    Daniel.

  19. segundo a visao de joao no apocalipse havia 24 ancioes sentados em tronos, pois bem no universo existem 24 sistemas solares e 24 planetas habitaveis, governados por estes ancioes.

  20. Sei… lá,tem milhões e milhões de galaxia no universo vai se existe alguma viada em algum planeta não e impossível mais possa q tenha.

  21. quando vc´s falam em DEUS sempre falam em amor incondicional, sera q ninguem aqui le a biblia nao?! se tudo q ta escrito na abiblia for verdade, vc´s estao muito enganados, o antigo testamento e recheado de atos de violencia, mortes e selvageria quase irracional por parte do povo de isrrael q segundo a biblia e o povo escolhido por deus, para, fala serio, quantas crianças, mulheres e idosos foram mortas pelos israelitas a mando do todo poderoso deus, quantas cidades foram exterminadas pelo simples proposito de deixar o povo de isrrael passar, e pior em varios trechos da biblia, e dito q “jave esndureceu o coraçao do rei para q ele nao aceitase” pqp, so eu q vi isso ? e muito facil se deixar levar pelo q os outros interpretam, mas dificil e ter coragem de ler a biblia como um livro comum escrito pelo homem e nao por um peseudo pai de todos, tem muita coisa errada na na biblia, muita contradiçao na minha opiniao, q nao se explica como tem tanta gente q ainda acredita.

  22. Olá, Wesley. Tudo bem?

    Cara, acho difícil determinar se tem vida nesse planeta recém-descoberto. Primeiro, porque as características do que se chama de “zona habitável” são extremamente relativas. No caso de G581c, ele tem uma translação de 13 dias terrestres. Não consigo imaginar como poderia haver vida ou estações em um planeta com translação tão rápida. O período de translação permite um equilíbrio importante na temperatura dos dois hemisférios (norte e sul) da Terra. Além disso, seria preciso saber se há estações, e para isso G581c deve ter uma inclinação em relação ao seu eixo.

    Não é só água líquida que é importante para a existência de vida, como conhecemos. A temperatura, a quantidade de luz solar (que é um fator limitante de fotossíntese, processo que produz toda a energia química utilizada na Terra) a umidade relativa, a força da gravidade. Tudo isso deve ser considerado.

    Finalmente, Wesley, deve-se levar em consideração que a crença de que exista vida lá, ou em outros planetas, é porque ela, supostamente, evoluiu aqui. E essa evolução é proveniente de processos aleatórios. Como eu não acredito nisso, e sim que a vida surgiu por ação de uma Inteligência, creio que não há vida lá não, bem como que não há vida em outros lugares. Mas veja: falo do que acredito e do que os cientistas acreditam. São duas cosmovisões diferentes. Se houver prova de que estou errado, precisarei rever esse ponto! Mas eles também precisam estar preparados para o mesmo.

    A vida é um evento extremamente complexo. De acordo com Francis Crick, que descobriu, junto com James Watson, a estrutura do DNA, a ocorrência de vida é um “milagre”. Ele está certo, e olha que era ateu!

    Abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

  23. Olá, Athos Vinicius!

    Obrigado pela visita e participação. (Não encontrei seu comentário anterior nas minhas buscas aqui… Acho que foi por isso que não respondi…)

    Na verdade, a Bíblia fala sim de outros planetas – quando fala das estrelas. Por exemplo, quando Deus manda Abraão contar as estrelas do céu, pode ter certeza que os planetas apareciam lá para ele. O problema é que os hebreus não praticavam astronomia. O próprio termo “planeta” é grego, e significa “errante” – por causa de seu movimento no céu, sempre diferente, de forma cíclica. Outros exemplos de referências a planetas na Bíblia:

    2 Pedro 1:19 – Vocês fazem bem em prestar atenção nessa mensagem. Pois ela é como uma luz que brilha em lugar escuro, até que o dia amanheça e a luz da estrela da manhã brilhe no coração de vocês. (Estrela da manhã é um nome dado desde a antiguidade ao planeta Vênus, o objeto mais brilhante no céu, logo de manhãzinha, antes de o sol nascer.)

    Hebreus 11:3 – Pela fé entendemos que o universo foi formado pela palavra de Deus. (Aqui, universo significa tudo o que está no céu, visível à noite.)

    Além disso, Athos, lembre-se que a visão de mundo que se tinha nessa época era de uma terra plana como um prato, com as estrelas e corpos celestes presos no céu, como brilhantes.

    Quanto ao objetivo de os planetas existirem, isto é fácil de responder: “Os céus declaram a glória de Deus; o firmamento proclama a obra das suas mãos.” (Salmo 19:1). O objetivo do universo é mostrar a grandeza do Seu Criador. Tudo Nele faz isso. Mas este é um dos objetivos. Há muitos outros. Como exemplo, posso te dizer que planetas grandes como Saturno, Urano e Júpter têm tanta massa que atraem a maior parte dos objetos que potencialmente podem colidir com a Terra. Isso não quer dizer que não haja colisões de meteoritos no nosso planeta, mas que os maiores não chegam por aqui por causa dos nossos vizinhos.

    E não existe isso de os planetas serem tentativas. Primeiro, porque você está dizendo que Deus foi criando por tentativo e erro, até acertar – o que é um absurdo do ponto de vista bíblico. Segundo, porque não há vida nos outros planetas conhecidos – se fossem tentativas, então algo de parecido conosco deveria haver. Mas sobretudo, os outros planetas não estão tão bem localizados quanto nós – a uma distância ideal de temperatura.

    Abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

    O objeti

  24. porquê na biblia não fala de outros planetas e qual o objetivo de existirem???

    Nessa pergunta que fiz abaixo não me respondeu o objetivo de existirem….
    Foram tentativas falhas até a perfeita terra?

  25. Gostaria de saber pq a bíblia não cita os dinossauros como criaturas que viveram neste planeta até 200 milhões de anos antes do primeiro ser humano em alguns casos até são mais antigos que isso datadas por isotopos de potássio 40 e isso não ha possibilidades de negar ou dizer que é invenção do homem,o decaimento radioativo dos isotopos como carbono 14, potássio 40, urânio 235 e 238 é algo constante e de possível medição,se a bíblia omite esses Milhões de anos antes do homem e a absurda variedade de animais que viviam nesse período, porque não o faria também com seres de outros planetas inteligentes ou não?
    Por favor me ajude a compreender isso.
    obrigado.

  26. Cristiano Oliveira Amaro Ferreira (Krhistian Lee)
    Em minhas análises e estudos, acredito piamente que seja possível que Deus tenha criado seres em outros planetas, seres esses que podem ter passado no teste o qual Adão não passou. Por esse motivo, não seria do interesse de Deus levar ao conhecimento dos seres humanos ou intervir em seu livre arbítrio de forma manipuladora, usando como exemplo uma criação que poderia ter dado certo logo de início, passado no teste de fidelidade. Não sendo assim interessante ou muito menos viável revelar a existência, assuntos, ou mesmo normas de seres de mundos que deram certo em um manual de redenção (Bíblia humana) para um mundo que ainda precisa ser aprovado por Deus por seu próprio livre arbítrio. Por conta disso estamos e estaremos sempre incapacitados de entrar em contato com tais seres a não ser que Deus permita. Esses seres poderiam ser descendentes diretos do próprio Deus em matéria. Desfrutariam de uma condição inimaginável a qualquer mente humana pois passaram em um primeiro teste de obediência ao CRIADOR. Desta forma, vindo a adquirirem vida eterna por meio de sua conduta perante Deus. Em detrimento disso, não conheceram e não se deram chance de conhecer o pecado. Alcançando dessa maneira, nível de perfeição não apenas física, mas mental e espiritual. Não envelhecem, não morrem, são altamente inteligentes, poderiam vir a controlar o átomo, o ar, o fogo e a própria terra de seu planeta dentre outros elementos desconhecidos pela mente humana. Sim, pois são perfeitos, mesmo tendo sido feitos por meios de átomos como nós. Presente de Deus por sua obediência. Concordo absolutamente com Michael S. Heiser quando alega que tais seres não possuem descendência de Adão, logo não estariam sujeitos à morte, pois desde o primeiro ser criado entre eles, não houve pecado. Também e fácil entender a razão pela qual, tais seres mesmo possuindo um nível de tecnologia muito mais avançado que a nossa, não ousaria nos visitar. Primeiro, são perfeitos, desprovidos de pecado, logo não morrem, seu DNA não contem falhas genéticas, Segundo, não poderiam entrar em contato conosco por uma ordem do próprio Deus, pois estão em outra situação, são ousariam desobedecer a Deus, pois são fieis assim como os anjos que se mantiveram fieis desde a criação dos céus. Caso ousassem desobedecer a Deus vindo aqui, consequentemente estariam pecando contra Deus. Primeiro, poluindo sua condição de perfeição com a atual humanidade, Segundo, estariam rompendo uma lei do próprio Deus no que diz respeito a uma provável lei universal de criação perfeita dentro do livre arbítrio de escolher obedecer a Deus e terceiro, por mais que possuíssem uma tecnologia altamente avançada superior à velocidade da luz, haveria limites distancias e barreiras estelares inimagináveis e inalcançáveis ou não permitidas para qualquer ser físico em estado de perfeição no que se diz respeito a entrar em contato com outros seres criados por Deus em estado de imperfeição.

  27. Não devemos fazer especulações a respeito de vidas em outros planetas.Devemos estar preocupados é com nossa salvação.Se existem vidas em outros planetas só quando chegarmos ao céu DEUS nos dirá. Se vocês querem saber a respostas lutem pela sua salvação que vcs terão a
    repostas no céu.Aqui não, lembrem-se nossa mente foi maculada pelo pecado, e assunto complexos como esses nossa mente não tem suporte para entendê-lo.
    OBRIGADO!

  28. Não devemos fazer especulações a respeito de vidas em outros planetas.Devemos estar preocupados é com nossa salvação.Se existem vidas só em outros planetas quando chegarmos ao céu DEUS nos dirá. Se vocês querem saber a respostas lutem pela sua salvação que vcs terão a repostas no céu.Aqui não, lembrem-se nossa mente foi maculada pelo pecado, e assunto complexos como esses nossa mente não tem suporte para entendê-lo.
    OBRIGADO!

  29. Ñ sei explicar ”GENTE” SE EXISTE VIDA EM OUTRO PLANETA….porque o mundo e muito grande comcordam com migo??? MAS EU ACHO QUE PODE AVER UMA HIPÓTESES Ñ É………..THAUU GENTE!!!!!!♠♥◘○♦♣☻☺♥

  30. Eu ñ sei se existe vida em outro planeta,descobrir sobre esse assunto e difissil por que o mundo e tão grande né,e tudo maravilhosso devemos que acradecer a DEUS por tudo que ele fez por nós e isso pessoal ……..BJOSSSSSSS♥HA OBRIGADA GENTE!!!!!

  31. Aff, e agente perdendo tempo em ler os comentarios de wiliams, ele copiou tudo akilo e colou aki… o cara não sabe nem escrever eu acho… e agente pensando em ele ser um estudioso em teologia, ciencias, biologia, bla bla bla… aff…. wiliams, senta e escuta quietinho…

    Parabens pelo blog, e pelo assunto, admin.

  32. Muito bem admin do blog, mesmo sendo cristão não podemos aceitar “verdades absolutas” sem investigalr sua veracidade!!!!

    Gostei bastante!!!!

  33. Olá, Gabriel.

    Obrigado pela visita e participação. E desculpe, a demora. Estava de férias e, portanto, impossibilitado de trabalhar. :D

    Vou responder suas perguntas.

    Os fósseis, que são evidências de seres vivos, só podem existir quando o animal morre e é imediatamente soterrado por sedimentos, geralmente envolvendo a ação de muita água. Com base nisso, os fósseis que encontramos são, em sua maioria, derivados do Dilúvio e de outros eventos menores – o que também explica as civilizações submersas.

    A grande questão é sobre a idade desses fósseis. Os métodos de datação assumem que as taxas de decaimento radioativo de certos elementos químicos, como o C-14, são constantes desde sempre. Mas não podemos assumir que elas nunca mudaram. Pode ser que sim. Eu acredito que tenham mudado sim, em algum ponto da história, dado um evento cataclísmico que pode ter alterado essas taxas. O Dilúvio é sério candidato, porque ao que parece, houve uma série de outros eventos, concomitantemente. Alguns autores sugerem a queda de um meteoro e um aumento na atividade vulcânica, como possíveis fontes de alteração dessas taxas. Mas ainda há muitas questões envolvidas nisso tudo, e estou estudando para respondê-las.

    Abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

  34. Olá. Meu nome é Gabriel, e tenho uma duvida… Você alega que os fósseis de milhares de anos encontrados nas rochas da terra entram em contradição com o evangélio, ja que haveria morte antes do surgimento de adão… qual sua explicação para a existemcia deles? bem como aquelas civilizações encontradas de 10, 14 mil anos atras muitas vezes subersas em aguas? Gostaria de ter sua visão do assunto. Grato.

  35. Querido irmão eu gostaria de uma orientação a respeito desse novo planeta a luz da biblia,um pequeno resumo.

  36. Olá, Williams! Que bom que você voltou.

    Nossa, você teve trabalho, hein? Que bom. Assim você deixa algumas informações adicionais no blog. Ah! E não precisa ter medo de eu não postar seus comentários. Não tenho por quê te censurar (e nem estou conspirando a favor de coisa alguma). As opiniões de todos são importantes, e o título do blog, “Considere a Possibilidade”, não é por acaso: o objetivo é o debate, a discussão, o aprendizado. Meu objetivo aqui, para expor bem claramente, é fornecer conhecimento que as pessoas usem para pensar na possibilidade da existência de Deus, de Sua Palavra, Sua Criação, Seu sacrifício e de ter um relacionamento com Ele. Mas isso não muda alguns fatos a respeito de nossa conversa.

    Em primeiro lugar, o próprio prefácio da NVI revela que ela é independente da NIV. A filosofia de tradução é a mesma, mas há muitas escolhas textuais diferentes da NIV. Se você ler a NVI com cuidado verá que seus argumentos não se sustentam, Williams. A questão do homossexualismo (ou homossexualidade) está presente e claríssima na NVI – é uma prática condenada como pecado em todo o texto bíblico, AT e NT. Então, não existe lógica em você condenar a tradução NVI porque havia homossexuais na NIV – as duas traduções são completamente independentes uma da outra, e a doutrina está lá, intacta (inclusive na NIV. Leia Rm 1:27-28 na versão americana para comprovar isso).

    Você está tão preocupado com a tradução ipsis literis que não parou para ler o contexto dos versículos que citou, com calma e sem preconceito. Por exemplo:

    1. Em Mt 1:25, não faz a menor diferença se dissermos “seu filho, o primogênito”, ou “um filho”. O contexto esclarece perfeitamente que se trata do primogênito de Maria, uma vez que ela era virgem. Ou seja, a omissão dessa palavra não compromete em nada a compreensão do texto. Embora o Textus Receptus traga τὸν υἱὸν αὐτῆς τὸν πρωτότοκον, isto é, “um filho, seu primogênito”, e o Nestle-Aland não, isso não importa para o contexto bíblico, particularmente da versão NVI, pois ela deixa muito claro que Jesus é o primogênito de Maria. O conceito está lá.

    2. Mt 9:13. Mesma coisa. A omissão das palavras, “ao arrependimento” não muda a compreensão, quando analisada dentro do contexto dos Evangelhos. Porque Jesus sempre deixa claro, nos 4 evangelhos, que Ele veio chamar pecadores ao arrependimento. (Mas tenho que concordar que seria muito bom se a NVI colocasse aquelas notinhas de rodapé acrescentando essa possibilidade.) Qualquer texto e qualquer versão podem ser vítimas de análise descontextualizada que beneficie o analisador. Isso é mais fruto da índole do indivíduo que do texto, e funciona tanto para a Bíblia como para qualquer texto escrito.

    3. No caso de Ap 1:11. Se você tivesse lido o v.8, veria que as palavras “Eu sou o Alfa e Ômega” estão lá. Se o seu problema era esse, está resolvido! A NVI deixa claríssima a divindade de Jesus, Williams. Essa sua reclamação não tem o menor fundamento. Sobre a volta de Jesus, é só ler Apocalipse até o fim, Mt 24, Lc 21 e Mc 13 para verificar que a NVI fala sim, e muito claramente, da volta de Jesus.

    4. Só mais um texto, para não me alongar muito. (Estou selecionando os textos com relação à importância da doutrina, só para ilustrar alguns exemplos.) Em 1 Jo 5:7-8. Dizem que os “três são unânimes” ou que “estes três concordam num” dá exatamente na mesma! É justamente o que o texto está dizendo.

    Williams, eu li os textos do baptistlink antes de ler a NVI pela primeira vez. Também tinha preconceito com essa versão, e os mesmos medos de que ela denegrisse as principais doutrinas bíblicas, como o nascimento virginal, a Trindade e a Divindade de Jesus. Mas, depois de lê-la pela primeira vez, perdi esse medo e fiquei encantado com a fluidez do texto. Ele me ajudou a entender muito melhor essas doutrinas e a me aproximar de Deus.

    A NVI não é perfeita. Tem seus problemas como todas as traduções bíblicas. Mas não adianta nada dar uma bíblia ARC primeira edição para um adolescente ou recém-convertido, como eu quando li a Bíblia pela primeira vez. Li a ARC e não entendi quase nada. A ARA me ajudou mais, a NTLH me ajudou a entender muito melhor o plano da salvação e a santidade da vida cristã, e a NVI me apaixonou pela beleza poética e fidelidade teológica. O que estou tentando te dizer é que, para o leitor comum, o cristão do dia-a-dia, a melhor tradução bíblica é aquela que a aproximará de Deus. É evidente que isso só acontecerá se a tradução for bem feita, e de acordo com os textos originais. Meu ponto é: A ARC primeira edição não serve mais ao leitor comum do século XXI. Sua linguagem nem de longe é compreensível, por causa do desenvolvimento da língua portuguesa, por isso precisou ser atualizada. A ARA, mesma coisa. A BLH, que virou a NTLH, idem. E agora temos a NVI, a KJ brasileira e a Almeida Século XXI. Todas elas falham em alguma coisa, mas não no ponto crucial da compreensão do plano da salvação e das grandes doutrinas bíblicas (criação, trindade, nascimento virginal, divindade de Jesus, atributos de Deus etc.).

    Você disse uma coisa muito certa sobre mim. Gosto de coisas fáceis. Pra que complicar a vida, que já é tão complicada? E textos fáceis obviamente facilitam a compreensão (e não é este o objetivo?). O texto diz que a noiva do Cordeiro é a Nova Jerusalém. A pergunta é: a Nova Jerusalém não é a cidade dos salvos? Quem é que vai morar lá? Não é o povo de Deus? O povo de Deus não é composto pelos salvos? Então! Podemos dizer que a Nova Jerusalém é uma metáfora da Igreja. É como dizer que o Brasil são os brasileiros. Esse tipo de questionamento pêlo-em-ovo não tem a menor utilidade, Williams. Por isso disse que esse autor do baptistlink está prestando um desserviço. E reafirmo.

    Finalmente, Williams. Você já leu a confissão de fé do blog? Recomendo que você leia, clicando aqui, especialmente o artigo 7. Depois, pense melhor antes de dizer que eu sou um “evolucionista da bíblia” que defende uma “bíblia que é evolucionista”. Seja lá o que isso signifique…

    Será que você vai postar essa minha resposta nos seus blogs ou sites?

    Abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

  37. Resposta, Daniel:
    J.P.M.A , está prestando um desserviço à Igreja brasileira? Avisar sobre os perigos de uma tradução onde pessoas que pensam que SABE traduzir um texto sagrado corrompem e mutilam, as palavras de Deus, em nome de uma linguagem fácil, onde não é só a linguagem fácil, mas o comercio fácil e lucrativo. Para traduzir: (a) não basta conhecer perfeitamente as línguas originais (Hoje, ninguém as sabe como os tradutores dos primeiros séculos, quando o grego koine era língua viva e eles as aprendiam desde o berço! Nem como os tradutores da época da Reforma!): é indispensável (b) saber português perfeitamente; (c) ser salvo, fiel e consagrado a Deus; (d) ser ortodoxo e profundo de doutrina; (e) ter pleno controle do Espírito, para escolher, dentre as razoavelmente possíveis traduções formais-literais de cada palavra, aquela que não corra o menor risco de ser mal interpretada (arriscando-se a ser contra algo da Bíblia, algo da sã doutrina e ortodoxia). Nada disso foi aplicado na tradução NVI.
    Você diz:
    “há alguns argumentos que são falaciosos, como aquele papo da NVI ter tirado a palavra “sodomita” do AT. Embora a palavra não esteja lá”
    “Embora a palavra não esteja lá”

    Ai você mostra que não tem o mínimo cuidado com as sagradas escrituras, olhar para uma tradução (que não é só uma mera tradução, mas uma tradução de textos corrompidos no caso da citada NVI é fruto de dois textos corruptos Códice Vaticano* e Códice Sinaítico*) e ver que arrancaram palavras que saíram da boca de Deus. Porque a palavra não esta lá? Porque durante os anos em que a NIV esteve sendo preparada (1968-1978), duas pessoas da comissão eram homossexuais. Uma delas era Virginia Mollenkott. Ela declarou sem a menor cerimônia:
    “Meu lesbianismo sempre tem sido parte de mim…” “Até onde eu sei, ninguém incluindo o Dr. Palmer suspeitava que eu era lésbica enquanto eu estava trabalhando na NIV; era informação que eu mantinha privada naquela época” (Carta de Virginia Mollenkott a Michael J. Penfold datada em 18 Dez. 1996)
    Isto não é argumento é fato.
    Vamos refresca sua memoria com um breve histórico sobre os textos bíblicos:
    Assim como o Texto Hebraico do Velho Testamento foi preservado entre os judeus de fala hebraica, também o Texto Grego do Novo Testamento foi preservado no império bizantino de fala grega. Então o Texto Bizantino, o Texto Tradicional, — ‘A Vulgata Grega’ e o Texto Recebido são termos sinônimos, cada um descrevendo o ‘Verdadeiro Texto’ que dominou os corações dos cristãos desde as épocas mais remotas. Este é de fato o “texto majoritário” — o texto preservado na maioria dos manuscritos. (esse é o texto base bíblicas ACF (Almeida Corrigida Fiel, da SBTB). As ACF e ARC (ARC idealmente até 1894, no máximo até a edição IBB-1948, não a SBB-1995) são as únicas Bíblias impressas que o crente deve usar, pois são boas herdeiras da Bíblia da Reforma (Almeida 1681/1753), fielmente traduzida somente da Palavra de Deus infalivelmente preservada (e finalmente impressa, na Reforma, como o Textus Receptus).

    Em 1516 AD, a primeira edição impressa do Novo Testamento grego foi publicada por um brilhante erudito chamado Erasmo. A evidência da soberana providência de Deus foi que embora ele tenha usado apenas uns poucos manuscritos gregos, o seu texto no geral concordou com [aqueles] 90 a 95% dos 5.000 manuscritos, ou até mais, [e que, maravilhosamente, são praticamente idênticos] disponíveis hoje! Os manuscritos que ele usou foram então representantes do texto comumente aceito.

    É digno de nota que, embora Erasmo tenha se correspondido com três (3) papas – Júlio II, Leo X e Adriano VI – e tenha passado algum tempo em Roma, ele não tenha usado o Códice Vaticano (B) quando compilou o primeiro texto impresso [do Novo Testamento grego]. (O Códice B foi a base prioritária usada por Westcott e Hort, cujo texto é a base para a maioria das versões modernas.)

    Em 1533 Sepúlveda forneceu a Erasmo 365 textos de leitura do Códice B para mostrar a conformidade deste com a Versão Latina, e o contraste deste com o Texto Grego Comum. Fica então evidente que Erasmo não aceitou as leituras do Códice B como dignas de confiança, e é provável que ele estivesse mais familiarizado com este do que Treguelles no século dezenove.
    Entre 1516 e 1526 Erasmo produziu mais quatro (4) edições do texto grego, e em 1550 Estéfano publicou um texto semelhante incorporando as valiosíssimas divisões em versículos como aparecem na Versão Autorizada (A.V.) As dez edições de Beza (1565-1611) tinham pequenas variações, e o seu texto foi reeditado mais tarde por Elzevir com mínima modificação.
    As duas edições de Elzevir foram publicadas em 1624 e 1633. Esta última foi o primeiro texto a ser chamado de Texto Recebido ou Textus Receptus. Este título é proveniente da declaração de Elzevir no prefácio da edição de 1633: “Agora tendes o texto recebido por todos.” Entretanto, o termo Textus Receptus pode igualmente ser aplicado aos textos de Erasmo, Estéfano, Beza e Elzevir.
    Durante o século dezenove, críticos textuais como Lachmann, Tischendorf, Treguelles, Westcott e Hort, expuseram a teoria de que, sendo recente a vasta maioria dos manuscritos, isto é, datando de após o século nove (apenas 500 ou 1.000 anos de idade), estes manuscritos foram então sujeitos a maiores erros devido aos descuidos dos copistas. Admitindo-se então que cada escriba tenha repetido os erros dos escribas anteriores e, certamente, tenha acrescentado os seus próprios erros.

    Alguns também têm presumido que os escribas alteraram a Escritura, quase que voluntariamente, se os seus pontos de vista teológicos diferiam das cópias que eles tinham diante de si. Isto simplesmente não é verdade. Tais declarações ignoram os fatos da Crítica Textual e a providência de Deus na preservação de Sua Palavra. Por exemplo, a mais antiga cópia do texto hebraico do Velho Testamento, datando de cerca de 900 AD. Ainda assim o mesmo texto hebraico foi encontrado entre os manuscritos do Mar Morto datando de cerca de 100 AC – um intervalo de 1.000 anos sem mudança! O mesmo cuidado providencial se aplica ao Novo Testamento da mesma forma que o foi no Velho Testamento.
    Westcott e Hort não puderam compreender a razão pela qual os manuscritos alexandrinos não foram copiados em tão grande número como o foram os manuscritos bizantinos. Propuseram a teoria que alguém deve ter produzido [e obrigado a multiplicação e o uso] do Texto Bizantino [e obrigado a destruição de tudo anterior e/ou diferente] mais ou menos no quarto século. Westcott e Hort o chamaram de “Texto Sírio.” Esta teoria não tem absolutamente qualquer fundamento histórico. É produto da imaginação destes, para desculpá-los por rejeitarem a vasta a maioria de manuscritos. Certamente tão grande recensão do texto, se é que houve, teria sido documentada pela história da igreja. Foi assim especialmente quando importantes questões doutrinárias daquele período foram documentadas em consideráveis detalhes, por exemplo, no Concílio de Nicéia, em 325 AD, que tratou da heresia ariana. A História silencia sobre qualquer revisão do Texto na Síria, Antioquia ou Constantinopla!

    Enquanto Westcott e Hort estavam introduzindo o seu tão citado “texto neutro”, para o Comitê da Versão Revisada, em 1881, o verdadeiro texto estava sendo fortemente defendido por estudiosos como o Deão Burgon e Dr. Scrivener.

    Deão Burgon, que pessoalmente [localizou e] acrescentou aproximadamente 400 manuscritos à lista [do catálogo dos manuscritos gregos do Novo Testamento], era um homem de grande habilidade escolástica e intimamente familiarizado com os manuscritos disponíveis. O seu livro ‘The Revision Revised’ [A Revisão Revisada], é considerado uma obra prima na defesa do Texto Recebido.

    Dr. Scrivener passou 40 anos pesquisando manuscritos e na sua época (final do século dezenove) examinou pessoalmente mais manuscritos do que qualquer outro estudioso. Quando a R.V. foi traduzida, Dr. Scrivener, que estava no seu Comitê, travou uma enorme batalha com Westcott e Hort durante 10 anos. Westcott e Hort, que também estavam no Comitê, empenharam-se para incorporar as versões tiradas de uns POUCOS manuscritos antigos, enquanto Scrivener avaliava o testemunho de TODOS os manuscritos. Infelizmente, Westcott e Hort tinham uma solidária maioria, e as decisões eram dadas por votação do Comitê.

    Mas com que grau de cuidado foram escritos estes “extraordinários manuscritos” que o Sr Daniel esta defendendo? No caso a representante mais nova desses manuscritos a NVI:

    *Códice Sinaítico (Aleph) (quarto século) – “Devido ao número de erros, não podemos afirmar que foi escrito cuidadosamente. De uma maneira abrangente o manuscrito está desfigurado por correções. Algumas poucas feitas pelo escriba original; um número bem grande pela mão de alguém com um elegante estilo, do sexto século, cujas emendas são de grande importância; mais algumas, novamente, foram feitas por mais alguém um pouco depois; o maior número delas, por um estudioso do sétimo século, que sempre cancela as alterações feitas pelo retificador do sexto século; outras, feitas por uns oito escritores diferentes, mais tarde.” (Scrivener, pg. 93, Vol. I)

    *Códice Vaticano (B) (quarto século) – “Um traço característico deste é o grande número de omissões, que induziram Dr. Dobbin a falar dele como um texto abreviado do Novo Testamento. Ele calculou que palavras inteiras, ou partes de frases, foram omitidas em número não menor do que 2.556 vezes.” (Scrivener, pg. 120, Vol. I)
    Códice Beza Greco-Latino (D) (quinto ou sexto século) – “O manuscrito sofreu correções, primeiro pela mão do escritor original, e depois por 8 ou 9 revisores.” E novamente: “Nenhum manuscrito conhecido contém tantas interpolações de caráter atrevido e extenso (600 só no livro de Atos), onde estas absolutamente não têm apoio, especialmente das versões Antiga Latina e Siríaca Curetoniana.” (Scrivener, pgs. 128 e 130, Vol. I)

    A Versão Curetoriana é reconhecida como uma adulteração da Versão Siríaca, enquanto que a Peshita do segundo século, conhecida como a “Rainha das Versões”, era a versão siríaca comumente aceita. A Peshita está em concordância com os manuscritos gregos mais recentes, e provê um elo vital entre o texto usado pelos Pais da Igreja primitiva e o Texto Recebido.
    Isto explica o fato pelo qual as versões modernas omitiram tanto da escritura.
    Você diz;
    “E quem traduz textos, como eu, SABE que é impossível traduzir um texto literalmente sem prejudicar o significado.”
    “A melhor tradução é aquela que preserva o significado, tendo em vista a cultura em que está inserida. Por isso não é possível permanecer com uma tradução antiga da Bíblia. Esse negócio de que a melhor tradução é aquela que tem todas as palavras exatamente iguais do texto original é infantil. Um exemplo? Tente traduzir João 1:1 literalmente: “No princípio era ou estava a palavra, e a palavra era ou estava com, a favor de ou indo para o Deus, e Deus era ou estava na palavra.” Imagina ler um texto assim? É bizarro, no mínimo. A tradução deve ser clara e acessível desde às pessoas mais simples até as mais eruditas.”
    Argumento conhecido dos portadores da síndrome do texto moderno!
    Está demostrando aqui das duas uma: ou seu intento de desinformar as pessoas, ou seu despreparo! Ao passar uma palavra de uma língua para outra, o tradutor fiel usa a equivalência verbal e formal. O tradutor infiel e irresponsável muda a palavra com a equivalência dinâmica. Traduzir (ou translate em inglês) vem do latim “translatus”. Isso significa transportar algo SEM MUDAR SUAS CARACTERÍSTICAS! É como carregar um objeto (palavra) de um lugar (uma língua) para outro (outra língua). Meu caro, quer julgar a honestidade de uma Bíblia? Veja se ela usa ITÁLICOS. O uso de ITÁLICOS como é feito da Bíblia King James e na Almeida Corrigida e Fiel da Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil, é uma demonstração de respeito e alta consideração dos tradutores pelo leitor. Eles nos dizem com isso: “amigo essa palavra não está no original, mas foi colocada para a leitura fluente…” Agora a VERDADE: A NVI não usa itálicos. Eles manipulam e interpretam o texto a seu bel-prazer e escondem isso de você! Caro amigo a NVI não é nem fiel ao Texto Crítico corrupto na qual se baseia!
    Você continua:
    (No meu ponto de vista, a NVI é uma das melhores traduções disponíveis em língua portuguesa: honesta, fácil de ler, bela e precisa. Quem disser o contrário ainda não a leu inteira, ou não leu outras versões para comparar. Ou não sabe o que está falando.)
    É verdade que a Bíblia NVI é escrita numa linguagem, fácil de ler, bela e precisa e poética. Contudo, por trás de toda a sua beleza, ela coloca em dúvida os seguintes itens de suma importância para a nossa caminhada na fé cristã: a divindade do Senhor Jesus Cristo sua morte vicária na cruz
    a expiação somente através do seu sangue, a Trindade a inspiração da Bíblia
    a doutrina da Salvação a validade do jejum.

    Dizer que isso é honesto é realmente não saber o que esta falando.
    Dizer que preciso é realmente ser infantil

    Vamos percorrer o NT, através da NVI, comparando-a com a Bíblia FIEL.

    Mateus 1:25 – Substituição da expressão “Seu filho, o Primogênito” por “um filho”.

    9:13 – Subtração de duas palavras “ao arrependimento”.

    12:40 – Substituição da palavra “baleia” por “grande peixe”.

    16:2-3 – A NVI coloca em dúvida a veracidade dos versículos com esta explicação, que será repetida dezenas de vezes: “Alguns manuscritos antigos não trazem estes versículos” (*). Acontece que esses “manuscritos antigos” são os textos católicos Sinaiticus (Aleph) e Vaticanus (B), o primeiro encontrado no lixo do Mosteiro de Santa Catarina, no Monte Sinai, por um incrédulo “catador de lixo” chamado Tischendorf.

    17:21 – Substituição da expressão “casta de demônios” por uma simples palavra, “espécie”.

    18:11 – Observação conforme o (*) acima.

    21:44 – Mesma observação do (*).

    23:14 – Mesma observação do (*).

    27:34 – Substituição da palavra “vinagre” por “vinho”, dando a impressão de que Jesus precisou de um analgésico, a fim de suportar as dores na cruz.

    Marcos 1:2 – A Isaías é dado total crédito sobre algo que ele jamais disse. Porque foi Malaquias (3:1)quem falou a primeira parte do verso, em o nome de Jeová, tendo Isaías dito a segunda parte. Isso aconteceu em razão da apostasia Alexandrina, no ano 200 d.C. Em vez de Isaías deveria ser dito “nos profetas”.

    2:17 – Subtração da expressão “ao arrependimento”.

    7:16 – Mesma observação do (*).

    16:9-20 – Mesma observação do (*). Isso, obviamente, para colocar em dúvida a Ressurreição e Ascensão do Senhor Jesus Cristo.

    Lucas 4:4 – Subtração da expressão: “… mas de toda a palavra de Deus”.

    23:34 – Mesma observação do (*).

    23:42 – Substituição da palavra “Senhor” por “Jesus”, bem ao gosto das TJs e dos espíritas, que não creem na divindade de Cristo.

    João 3:13 – Subtração da expressão “que está no céu”, depois de “o Filho do homem”.

    3:15 – Subtração da expressão “não pereça, mas”, antes de “tenha a vida eterna”.

    5:4 – Substituição da palavra “Porquanto” pela expressão “De vez em quando”.

    6:47 – Subtração da expressão “crê em mim”, obviamente para deixar somente “Crê”, pois os espíritas, novaerenses, TJs e Mórmons também “crêem”, só que não na divindade de Cristo.

    Atos 8:37 – Mesma observação do (*). Pior é a BLH, cuja edição, com o imprimatur da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, de 04/01/1975, OMITE esse versículo, a fim de negar a divindade do Senhor Jesus Cristo.

    10:30 – Subtração da expressão “em jejum”, antes de “orando”.

    Romanos 8:1 – Subtração da expressão “Que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito”. Isso facilita a prática do pecado.

    9:5-6 – Substituição da expressão “segundo a carne” por “linhagem humana” e acréscimo (v. 6) da palavra “pensemos”. Deus proíbe acréscimos à sua Palavra e os editores da NVI são especialistas em cometer esse PECADO.

    14:10 – Substituição da palavra “Cristo” por “Deus”, negando, assim, que todos nós comparecemos diante do Tribunal de Cristo, conforme a 2 Coríntios 5:10.

    1 Coríntios 3:15 – Acréscimo da palavra “esse”, deturpando completamente a significação do verso e dando margem à crença na existência do purgatório.

    5:7 – Subtração da expressão “por nós”, em seguida a “foi sacrificado”, a fim de negar o sacrifício vicário de Cristo em nosso favor.

    6:20 – Subtração da expressão final “… e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus”.

    Colossenses 1:14 – Subtração da expressão “pelo seu sangue”, depois da palavra “redenção”. Mais uma tentativa diabólica de negação do valor salvífico do sangue do Senhor Jesus Cristo.

    2 Tessalonicenses 2:8 – Substituição da palavra “iníquo” por “perverso”, que é mais leve. Perversos e pervertedores são os traficantes de drogas e aqueles que “pervertem” a Palavra de Deus, enquanto que “iníquo”, isto é, capaz das piores atrocidades espirituais, será o Anticristo.

    1 Timóteo 3:16 – Substituição da expressão “na carne”, pela expressão “em corpo”, bem ao gosto dos espíritas e novaerenses.

    1 Pedro 2:2 – Substituição da expressão “vades crescendo” (obviamente na salvação) por “cresçam para a salvação”, dando margem às boas obras do Catolicismo Romano, necessárias à salvação.

    4:1 – Substituição da expressão “na carne” pela palavra “corporalmente”, bem ao gosto dos espíritas e novaerenses.

    1 João 4:3 – Subtração da expressão ”que Jesus Cristo veio em carne” pela simples palavra “Jesus”, diluindo a divindade do Senhor.

    5:7-8 – Aqui a NVI dá uma boa “colher de chá” para todos os hereges, que se auto intitulam “evangélicos”, negando a Trindade. Em vez de dizer no verso 7, como a KJ “and these three are one” e no verso 8 “these three agreed in one”, a NVI subtraiu a parte final do verso 7 e no verso 8 usou a expressão “os três são unânimes”, em vez de “estes três concordam num”, como também lemos na FIEL. Ela ainda põe em dúvida a veracidade desses dois versos, com a clássica afirmação de que parte do mesmo não consta nos manuscritos, antes do século 12, etc. O crente novo, com o aval dos pastores ambiciosos, vai se alimentando de “leite poluído” e, em vez de crescer, acaba adoecendo gravemente e, muitas vezes, até morrendo de desnutrição espiritual. Vamos anexar a este um trabalho do jovem e bíblico Mario Sergio de Almeida, sobre as bíblias deturpadas.

    5:16-17 – A linguagem está rebuscada demais, a fim de confundir os leigos. Esse método é sempre usado pelo Cardeal Ratzinger, líder atual da Inquisição Católica, a fim de que o leigo fique boiando no assunto e só entenda o que convenha aos editores…

    Apocalipse 1:11 – Aqui a NVI saiu completamente do sério, ao omitir as palavras de Jesus: “Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o derradeiro”, a fim de negar a divindade do nosso Senhor Jesus Cristo, agradando, assim, a gregos e troianos, e podendo faturar milhões às custas dos pastores (muitos deles, semianalfabetos bíblicos) e dos leigos incautos, que preferem um bom filme na TV a uma santa excursão pela Bíblia FIEL da Trinitariana.

    8:13 – Aqui a NVI seguiu o mesmo caminho das outras versões novas e foi até o zoológico, a fim de lá conseguir uma “águia”, a qual saiu voando neste versículo, substituindo a “anjo” da BKJ e da FIEL.

    11:17 – Omissão da expressão “e que hás de vir”, depois de “e que eras”, negando a volta de Jesus. Troca do verbo “reinaste” pela expressão “começaste a reinar”, cujo significado é bem diferente.

    Em nosso teste feito agora, podemos dizer … “pesado foste na balança, e foste achado em falta.” Dn 5: 27b. Assim, concluímos que a NVI não merece nossa credibilidade, pois, assim como uma balança [que] é enganosa, ela subtrai as palavras do nosso Senhor Deus. Tremamos ante Ap 22:18-19 + Pv 30:6 (não adicionar/ subtrair), 2Co 2:17 (não corromper), e Rm 1:25 (não transformar a Bíblia em mentira)!

    para encerar: você diz:

    De onde você tirou esse conceito de que a Igreja não é a Noiva de Cristo? Essa doutrina não é romana – é bíblica! O artigo que você recomendou não prova nada – e é bastante confuso

    “confuso” Realmente você gosta de coisa fácil (risos) bom você citou um ótimo texto (Ap 21:9-10) agora colocou só parte do texto creio que por conta da sua simpatia por texto mutilados (NVI) e com certeza não leu o artigo indicado, pois lá esta bem claro que a noiva do cordeiro é a Nova Jerusalém.

    E veio a mim um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a esposa, a mulher do Cordeiro.
    E levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a grande cidade, a santa Jerusalém, que de Deus descia do céu. (Ap 21:9,10)

    Só falta agora você traduzir nova Jerusalém como igreja e se junta a os hereges da NVI

    Conclusão: seu blog tem muitas informações boas em defesa do criacionismo, mas vejo que apesar de defender o criacionismo você não defende a Bíblia inspirada, se tornando assim um evolucionista da bíblia ao defender uma ‘bíblia’ que é evolucionista.
    Como é um pessoa que pensa que sabe talvez tente refutar de uma maneira argumentativa sem provas como fez inicialmente, ou ate mesmo não a poste no seu blog, mas nem por isso vai deixar de ser postado no site: http://solascriptura-tt.org nos blogs: http://ibb-soledade.zip.net e http://ibb-juazeirodonorte.blogspot.com/
    Por estes e por outros motivos tenho algumas restrições em recomendar seu blog talvez com alguma nota avisando sobre fortes tendências ao modernismo textual o qual esta levando muitos crentes a apostasia (desvio da verdade).

  38. Olá, Williams!

    Obrigado pela visita e participação.

    Fico feliz que você esteja gostando do blog, mas gostaria de fazer alguns comentários aos seus comentários.

    1. Já conheço os argumentos que você citou do site baptistlink.. E é preciso tomar cuidado com os argumentos desse site. Ele se propõe a ser um defensor das “melhores versões” bíblicas, mas está prestando um desserviço à Igreja brasileira. Eu já li pelo menos 6 traduções brasileiras (ARC, ARA, ACF, NTLH, NTKJ, NVI). E comparei os textos. E tudo o que esse autor J.P.M.A. diz é perfeitamente refutável, dentro da própria NVI e do texto grego. Basta ler o texto da NVI para ver que esse site está completamente equivocado – e há alguns argumentos que são falaciosos, como aquele papo da NVI ter tirado a palavra “sodomita” do AT. Embora a palavra não esteja lá, o conceito está, inteirinho, e até mais fácil de entender que em qualquer outra versão brasileira. E quem traduz textos, como eu, SABE que é impossível traduzir um texto literalmente sem prejudicar o significado. Dê uma olhada no Novo Testamento Interlinear, da SBB, e você entenderá o que eu estou dizendo. A melhor tradução é aquela que preserva o significado, tendo em vista a cultura em que está inserida. Por isso não é possível permanecer com uma tradução antiga da Bíblia. Esse negócio de que a melhor tradução é aquela que tem todas as palavras exatamente iguais do texto original é infantil. Um exemplo? Tente traduzir João 1:1 literalmente: “No princípio era ou estava a palavra, e a palavra era ou estava com, a favor de ou indo para o Deus, e Deus era ou estava na palavra.” Imagina ler um texto assim? É bizarro, no mínimo. A tradução deve ser clara e acessível desde às pessoas mais simples até as mais eruditas. Embora eu tenha gostado de todas as traduções bíblicas que li até hoje, só duas versões conseguiram me agradar nesse aspecto: a NVI e a ACF. E a NVI ainda mais.

    (No meu ponto de vista, a NVI é uma das melhores traduções disponíveis em língua portuguesa: honesta, fácil de ler, bela e precisa. Quem disser o contrário ainda não a leu inteira, ou não leu outras versões para comparar. Ou não sabe o que está falando.)

    Em segundo lugar, Williams. De onde você tirou esse conceito de que a Igreja não é a Noiva de Cristo? Essa doutrina não é romana – é bíblica! O artigo que você recomendou não prova nada – e é bastante confuso. Acontece o seguinte: a Bíblia usa várias figuras de linguagem para facilitar nossa compreensão do relacionamento da Igreja com o Senhor Jesus. E o conceito da noiva está presente nas parábolas de Jesus, nos escritos de Paulo e, de forma, explícita, no livro de Apocalipse. Veja só:

    “Um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas aproximou-se e me disse: “Venha, eu lhe mostrarei a noiva, a esposa do Cordeiro”. (Ap 21:9. A palavra grega para “noiva” é ninfê, que significa exatamente “noiva”.)

    “O Espírito e a noiva dizem: vem!…” (Ap 22:17 – a palavra para noiva e exatamente a mesma: ninfê)

    Deus usa o relacionamento de marido e mulher em toda a Escritura. Leia Ezequiel 16 para ver a linguagem que Deus usa. É a linguagem de um marido traído pela esposa. E esse conceito permeia todo o Novo Testamento.

    Ao invés de se apegar a esse tipo de argumento inútil, tente aproveitar a metáfora do casamento que a Bíblia usa em relação à Igreja. Você verá que o texto fica bem mais fácil de ser compreendido.

    Abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

    s

  39. Daniel, esta é minha primeira visita, primeira impressão foi boa, informação precisas, argumentos idem, só uma dica procura agora se aprofundar em critica textual ex: citações de versões de textos corrompidos da bíblia (ex: NVI) http://www.baptistlink.com/creationists/expondoerrossbinvi.htm
    outra coisa a igreja nao é a noiva de cristo isso é um é doutrina romana: http://ibb-soledade.zip.net/arch2008-08-03_2008-08-09.html
    no mais ainda estou lendo artigo por artigo…(gostando)
    ate+ entao ai vai meu e-mail waeletronicadigital@hotmail.com
    add se possivel.

  40. Minha conclusão é de que hollywood fez um bom trabalho, já que os mantras: “o universo é tão grande, devem existir outros seres inteligentes” e “somos egoístas de pensar que Deus criou tudo isso só para nós” são entoados de forma robótica por grande número de pessoas doutrinadas por aí…

  41. o univeso é tão grande que é dificil de expicar+ acho que todos podem entrar num acordo para decidir e na verdade se existi vida em outro lugar acho que ñ são extraterrestres + sim humanos igual a nós!
    bjsss

  42. Olá Daniel!
    Quanto à utilidade dos outros planetas, cuja questão foi levantada, tenho uma teoria:
    Os outros planetas serviriam para, além de desviar cometas que poderiam atingir a nós (“função” dos gigantes gasosos), habitação para a própria humanidade. Deus diz para os humanos crescerem e reproduzirem, de forma que, em dado momento, se tudo tivesse dado certo conforme os planos de Deus, a Terra teria uma superpopulação e então habitaríamos outros planetas, sistemas e galáxias.
    Não vou discutir a contagem do tempo, mas li que Marte e Vênus já foram habitáveis no passado e que Marte era muito parecido com a Terra (http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI1685656-EI302,00.html), mas como aconteceram erros de percurso, os planos foram adiados.
    Um abraço!

  43. Daniel, entendo seu ponto de vista e sua base teórica bíblica e religosa, mas, não querendo ser muito chato, usar a bíblia como base para uma discussão sobre assuntos hoje encarados com âmbito científico, como é no caso a Astrobiologia ou, como alguns a chamam, a Exobiologia, é errônio em meu ponto de vista. Claro que não vou argumentar contra a sua fé , mas a bíblia não é feita de narrações inquestionáveis e sagradas. Sabemos hoje que a bílbia atual sofreu muitas influências de povos mais antigos, isso notamos quando estudamos o Torah e alguns registros babilônicos e até egípcios. A bíblia em seu íntimo têm muitas verdades, mas estas foram “enfeitadas” ao extremo. Alguns casos são verdades, como por exemplo, Jesus, personagem provado pela história, mas há coisas que a certeza que aquilo seja verdade só parte de uma coisa: Da fé. E isso não posso questionar.

    Cientificamente….

    Só quero deixar claro que pensando Cientificamente a plurariedade de vida no universo é possível. Um astronômo, Frank Drake, formulou uma fórmula utilizando conceitos as ronômicos em relação a vida baseada em C e em condições exatamente iguais, ainda como valores os números mínimos. A fórmula é esta:
    N = R x fs x fp x ne x fl x fi x fc x L
    Os termos significam: ( Fonte da explicação dos termos: Wikipédia )

    N é o número de civilizações extraterrestres em nossa galáxia com as quais poderíamos ter chances de estabelecer comunicação.
    R* é a taxa de formação de estrelas em nossa galáxia
    fp é a fração de tais estrelas que possuem planetas em órbita
    ne é o número médio de planetas que potencialmente permitem o desenvolvimento de vida por estrela que tem planetas
    fl é a fração dos planetas com potencial para vida que realmente desenvolvem vida
    fi é a fração dos planetas que desenvolvem vida inteligente
    fc é a fração dos planetas que desenvolvem vida inteligente e que têm o desejo e os meios necessários para estabelecer comunicação
    L é o tempo esperado de vida de tal civilização

    A probabilidade que ele encontrou, mesmo utilizando valores mínimos, foi a seguinte:
    N = 7 × 0,5 × 2 × 0.33 × 0,01 × 0,01 × 10 000 = 2,31
    A equação deste grande gênio é muito discutida hoje em dia, como uma prova da probabilidade da existência de vida alienígena INTELIGENTE. Sabemos que a vida extraterrestre em forma de bactéria já foi encontrada em marte, o que é um grande passo. Em um de meus artigos sobre este assunto deixo bem claro como o mecanismo celeste possibilida a vida extraterrestre inteligente de evoluir e de como a ciencia moderna encara tal questão. Alguns trechos de meu artigo:
    ” Um erro muito comum e muito arrogante por parte da humanidade é pensar que a vida só seja possível em base de Carbono. Como sabemos, conhecemos uma ínfima parte de elementos do universo, e milhões possivelmente podem originar vida. Se pensarmos assim, quase todo orbe poderia ser habitado.
    Em relação a vida em condições extremas, temos bactérias na Terra que demonstram que este fato é possível. Algumas vivem em zonas totalmente inóspitas e com temperaturas muito elevadas ou baixas. Isso mostra como a vida é adaptável. Um exemplo destas, que por sinal foi inserida no trabalho de Paulo Aníbal sobre exobiologia, é a Thiomagarita nambiensis, que sobrevive em temperaturas de mais de 350° no fundo dos oceanos. Além desta, muitos outros exemplos poderiam ser dados, que comprovariam ainda mais a grandiosidade da possibilidade da vida extraterrena.
    Outro foco de estudo da exobiologia são os cometas. Já foi retirado de alguns cometas material de origem muito comum, como a água, além de diversos organismos. Isso nos faz pensar que a vida está em todo lugar, e que ela se espalha pelo universo através deste meio de trasporte. Daí que surgiu a teoria da Panspermia, na qual é explicada a origem da vida na Terra por microorganismos plantados aqui por meio de uma queda de alguma rocha. Esta teoria é muito aceita hoje em dia e é muito provável de ter realmente ocorrido.”

    Acho que vou deixar você se manifestar sobre, gostaria de saber sua opinião. Agradeço!

  44. Viktor,

    Obrigado pela visita e participação.

    Li o seu comentário, e percebi algumas coisas confusas nele. Parece que o centro do seu argumento é que Deus, que é tudo, jamais se dignaria a informar alguma coisa ao homem. Se Ele o fizesse, talvez passássemos a fazer coisas reprováveis com a informação que Ele nos daria.

    Bem, se Deus é tudo, então eu sou deus (ou Deus), porque partilho de Sua divindade. Mas isso é comprovado pelo que vemos todos os dias? De onde retiro informações sobre a personalidade de Deus? Olha, Viktor, até hoje, apenas a Bíblia me deu pistas eficiências e confiáveis sobre Deus. Segundo ela, Deus é perfeição, é santidade, é amor, justiça, misericórdia, fonte de paz e sabedoria para os outros. O bom senso me mostra que não sou nada disso, e nem as outras criaturas o são. Assim, não podemos ser Deus. Deus é uma pessoa separada de nós, e nós estamos separados Dele por causa de nosso estilo de vida e natureza, que são diametralmente opostos àquilo que Ele ordena a nós. Essa minha visão foi retirada da Bíblia, uma fonte absolutamente confiável que tem mais de 4000 anos de história e é estudada por pessoas do mundo todo. Tudo o que eu disse não é o que eu acho, mas o que a Bíblia ensina. Então, dependo dela para entender alguma coisa sobre Deus, que é infinito.

    Porém, a Bíblia também ensina que Deus comunicou muitas coisas ao homem, e até mesmo nos estimula a investigar as coisas. Não creio que as informações disponibilizadas por Deus seriam fonte de guerra entre nós e supostos alienígenas – se é que eles existem -, mas sim a nossa natureza corrompida e cobiçosa. Acho que o último filme de James Cameron (Avatar) mostra isso muito bem.

    Abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

  45. Foi muito bom fazer essa viagem intelectual, mas todos nós que buscamos novidades e conhecimentos, sejam eles cientifico ou espiritual(divino) sabemos da riqueza que nos dar quando deparamos com esse tipo de debate, mais muitos de nós nunca parou para pensar! quem é Deus? como é Deus? então! percebemos o quanto é misterioso isso tudo? pois bem, Deus fez tudo perfeito, mas tão perfeito que não nos deixa pista da existencia de outras vidas no sistema, porém há um vago muito grande nesse tipo de conversa, mas a principal pergunta é essa. De onde veio Deus? Deus é todo o universo, ele é um todo, ele estar em tudo até mesmo nas coisas mortas, pois na verdade não estão mortas, estão vivas, pois todas essas coisas tem seu valor, então Deus é isso, e por isso não podemos afirmar que somos sua semelhança, sou um homem de Deus, mas tenho uma mente aberta para dicermir que Deus é isso, um todo, por isso essa complexidade na criação, é tudo tão perfeito, Deus é perfeição, mesmo que exista outras vidas ele jamais iria relatar isso ao homem da terra, e quando o homem conseguir desmendar esse grande segredo será tarde e virá o fim, seremos extintos da terra, onde haverá uma nova tripulação, com orgnismo alterado e nunca saberá da nossa existencia, assim pode ser em outros planetas, Deus naturalmente nos protegem, pois se quisesse que soubessemos de outras teria falado aos profetas, pois em apocalipse ele profetisa acontecimentos que ocorreu nos tempos de hoje e outros que ainda estão por acontecer, isso tudo foi descrito se observarmos bem, com muita precisão, então partindo desse raciocinio ele não quis nos permitir tal informação, pois provalvelmente iria excitar o homem a explorar ou entrar em guerra com outros viventes, no caso de existir, é quase irreal isso tudo, mais é esse o Deus.. obrigado

  46. Felipe,

    Obrigado pela visita e participação.

    A Bíblia menciona o Universo e planetas sim! Paulo faz uma bela diferenciação de brilho astronômico entre as estrelas de diversas grandezas em 1 Coríntios 15:41. E em Hebreus 11:3, lemos que “pela fé entendemos que o Universo (Tradução NVI) [ou mundos, tradução de João Ferreira de Almeida, Revista e Atualizada] foi formado pela palavra de Deus…”.

    Os profetas não profetizaram sobre essas coisas (tv, rádio, internet, orkut etc) porque elas não eram importantes para os propósitos de suas profecias, Felipe. Eles não profetizaram sobre a invenção do Trebuchet, uma arma medieval, mas profetizaram sobre a divisão do Império Grego em quatro depois da morte de Alexandre (Daniel 7), a ascensão do Império Romano e o nascimento e sofrimento de Jesus (veja Isaías 53, escrito 700 anos antes do nascimento de Jesus, e diga se é incompreensível). Sua linguagem não é incompreensível. É apenas figurada. Basta estudar um pouco para entender o que diziam profetas que viveram no Oriente Médio (outra cultura, distinta da nossa), em linguagem distinta da nossa, em épocas distintas da nossa e entre si mesmos. Os textos podem ser difíceis, mas não são incompreensíveis.

    Confiar em Deus, eu diria, Filipe, é uma tendência. Nossa psiquê precisa disso porque nossa alma (que é essencialmente a mesma coisa) precisa disso. Nós precisamos voltar a ter relacionamento com Deus, porque Ele é real, e falta realidade nas nossas vidas, quando nos enganamos a respeito do destino final de cada um de nós. Concordo com você: isso é um instinto. A Bíblia já ensina isso.

    “Ele fez tudo apropriado ao seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim ele não consegue compreender inteiramente o que Deus fez.” (Eclesiastes 3:11, grifo nosso)

    Abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

  47. Deus criou o universo, certo! Por que a biblia não menciona planetas e nem universo? Acho porque faltou visão! Há profetas na biblia e a maioria deles são bem indiretos, certo? As profecias nas maiorias das vezes estão escritas numa linguagem incompreencivel, por que? Profetas não profetizaram que haveria televisões, carros, celulares, computadores, etc, porque? Seguir e confiar em Deus é bom e faz bem! Viver eternamente é bom e faz bem! A confiança em Deus que temos para viver na eternidade vem de um extinto do ser humano de não aceitar o fim que é a morte, penso eu! Eis o mistério.

  48. Yuri,

    Desculpe a demora em responder à sua questão. Andei bastante ocupado estudando para poder responder, pois suas perguntas foram boas. Não sei se vou conseguir responder tudo, mas consegui sintetizar algumas informações para passar para você.

    Primeiramente, preciso dizer que é necessário tomar uma posição quanto à fé (aquilo em que se acredita) para termos condições de responder perguntas com os pés no chão. Todo pensador e cientista faz isso, senão não pode trabalhar. Portanto é preciso saber quais são os limites da ciência e da religião. Talvez possamos pensar nas duas como uma praia. Religião explica certas coisas, Ciência, outras, embora tenham regiões em comum, como o mar e a praia têm uma região em comum, embora sejam diferentes. No final, formam um lindo cenário e ambiente, onde podemos viver e (por que não?) nos divertir. Assim, creio que a Ciência pode responder às questões que fazemos quanto aos fenômenos naturais, mas há questões que só a religião pode responder.

    Deus existe? Nenhum cientista pode responder a essa pergunta com base na ciência, pois não é sua preocupação investigar a existência de Deus. Isso está no âmbito da Filosofia e da Teologia.

    Por que sai uma fumaça da minha chaleira quando esquento água para fazer chá? É um tanto ridículo procurar resposta para essa pergunta na religião, porque a religião preocupa-se com questões profundas da existência humana.

    Entendi o que você disse a respeito dos elementos naturais. Concordo em dizer que Deus criou todas as coisas, mas digo que não existe essa coisa de quatro elementos, pois não é disso que o mundo natural é feito. Ele é feito de átomos. Ater-se à noção de quatro elementos é travar o conhecimento. Essa ideia bloqueia várias outras.

    Creio que posso resumir o que você disse da seguinte forma: todas as coisas foram criadas em equilíbrio, e Deus criou tudo funcionando perfeitamente e coordenadamente.

    Com base nessa ideia, correta, tentarei responder suas outras questões.

    Você perguntou porque Deus não criou todos os outros planetas iguais. Vamos olhar somente dentro de nossa galáxia – a Via Láctea. Isso eu posso responder naturalmente, sem conceitos teológicos. Dadas as posições dos planetas no Sistema Solar, é impossível que, mesmo sendo pedaços de rocha com a mesma composição, fossem todos iguais. A distância em relação ao sol, a inclinação e a órbita influenciam diretamente no resultado final da aparência do planeta.

    Agora, quanto às outras galáxias e por que Deus não criou a Terra para impedir colisões, é mais complicado. Por que Deus teria criado outras galáxias? Talvez por causa do equilíbrio total do universo. (Embora simplista, é a única resposta que tenho para isso). Por que Deus não criou a Terra com capacidade para impedir colisões? Bem… De certo modo, Ele criou. Afinal, os meteoros derretem por causa do atrito e calor da atmosfera. Porém, se Deus colocasse algum objeto na atmosfera, como algum tipo de barreira, isso evitaria que os raios do sol entrassem na atmosfera, impediria o nosso uso de satélites (do qual estou me beneficiando agora para escrever para você) e provavelmente teria efeito negativo para o planeta, aumentando ou diminuindo a gravidade da Terra e afetando as marés, impedindo talvez a vida. Além disso, eu acredito que Deus dá uma mãozinha, guardando-nos de corpos celestes maiores. Contudo, é importante lembrar que Deus criou o universo para obedecer a leis naturais, não para viver de milagres (intervenções divinas ocasionais, que têm propósito específico).

    A teoria da colisão de um meteoro no fim do Cretáceo (65 milhões de anos) não é acordo entre os cientistas, e pode não corresponder à verdade. Há outras teorias válidas e constantemente consideradas. Entre os criacionistas, é consenso que os a extinção dos dinossauros tem a ver com um Dilúvio global – aquele de Noé. E há várias evidências disso, algumas postadas aqui no blog.

    A humanidade procura vida inteligente fora da Terra já há algum tempo. Nenhuma evidência conclusiva foi obtida. O projeto SETI, fundado em 1984, que busca sinais de radio emitidos por alienígenas, por meio de vários computadores espalhados pelo mundo, não conseguiu uma ondinha sonora sequer, em 25 anos.

    Perceba, Yuri, que, mesmo sem evidências, as pessoas acreditam na existência de extraterrestres. Por quê? Porque o universo é grande demais, não querem se sentir insignificantes nesse todo, e querem alguém que tenha inteligência superior à nossa, que possa nos ajudar a resolver os nossos problemas. Isso é uma crença religiosa!

    O Evangelho nos ensina que Jesus supre esses anseios humanos. Veja: Ele é superior a nós, tem inteligência superior à nossa, nos ama muito, apesar de sermos insignificantes (e nos dá muito valor), e pode nos ajudar a resolver nossos problemas. Principalmente o maior de todos eles, que é nossa natureza moralmente degenerada (os teólogos chamam de “pecaminosa”). Não há necessidade de esperarmos extraterrestres de uma civilização superior para consertar nossos problemas, pois Deus o faz, através de Jesus. Se as pessoas do mundo todo seguissem a Jesus, não apenas suas ideias, mas quisessem ser como Ele, não haveria muitos problemas para resolver.

    Você percebeu como, agora, estamos andando naquela região da praia onde o mar se encontra com a areia?

    Um abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

  49. Ola Daniel!

    Obrigado pela sua resposta, talvez eu tenha sido um pouco confiso quando quis me expressar.

    Bom, primeiramente, não necessariamente precisa se basear em uma resposta ciêntifica, eu busco conhecimento, e vejo em você alguem conhecedor de muitas coisas, por tanto, ciência quanto religião é de fato conhecimento, e ambos buscam provar ações e reações do nosso planeta terra principalmente, estando a biblia ou religião menos focada em ciência e mais em fé. Por tanto sim, você pode sim se basear cientificamente, e religiosamente não tem problema, uma vez que não sou ateu e tenho crença em deus, mas busco casar informações.

    Mas vamos lá.

    Bom

    1 – A minha idéia principal, não foi dizer que os elementos naturais provem da ciência, quis dizer que os elementos naturais, provem da natureza, de DEUS, mas a idéia foi dizer que estes elementos reagem ou atuam entre si resultando em algum objetivo comum.

    Que é o caso do macaco, que é algo criado por deus, que precisa da banana que é algo criado por deus, que precisa da agua que é algo criado por deus. e assim sucessivamente……………. ou seja tudo se liga, tudo se encaixa, tudo depende um do outro.

    Perfeito, ai você me deu a explicação da existencia nos outros planetas, o que de fato me deixou realmente com a pulga atráz da orelha, uma vez que o que você diz faz sentido, porem em contra partida ainda continua uma interrogação.

    Se o resultado da criação dos planetas por Deus, é a intenção de impedir uma colisão direta entre algum astro com nosso planeta surgem-se as seguintes duvidas então:

    1 – Por que Deus não criou o nosso planeta de maneira tal que pudese impelir este acontecimento?
    2 – Por que Deus criou outros planetas porem com varios compostos quimicos diferentes como: Enxofre, Gas Hidrogenio, Hélio, Metano, Alguns com temperaturas elevadissmas, outras mais baixas?(Sei que o sol influência), mas por que não são simplesmente um pedaço de rocha com a mesma composição de maneira geral? por que tem que ter a variação se ja que não tem utilizade nenhuma a não ser para impedir que a terra seja vitima de uma colisão?
    3 – Por que então partindo desta informação, a terra ja foi vitima da colisão de muitos meteoros? (Concerteza não foi devido a ira de Deus, uma vez que na época jurassica o ser “inteligente” não tinha nem se quer conhecimento biblico)
    4 – Se tudo se encaixa e é ligado, e dependente um do outro? qual é o papel dos outros planetas? somente de fato para impedir a colisão de um asteroide ou coisa do tipo?

    Obs.: Marte, Netuno e Mercurio, tem quase a mesma inclinação que a terra variando entre 2 a 5º entre eles.
    E a teoria (SIMPLESMENTE A TEORIA), alega que a inclinação é decorrente de colisões em nosso planeta, resultando estas respectivas inclinação.

    Desde ja agradeço sua atenção Daniel

  50. Yuri,

    Obrigado pela visita e participação.

    Você disse que quer uma resposta cientificamente focada, então vou dá-la a você.

    Primeiro, os Quatro Elementos (Fogo, Ar, Terra e Água) não têm nada de científico. É uma filosofia grega antiquíssima, superada pela teoria do átomo, que hoje é bem conhecida e ensinada em todas as escolas. Nenhum cientista usa esses elementos para fazer reação alguma, antes usamos elementos químicos. Ao vermos um toco de madeira pegando fogo não estamos vendo uma interação entre Ar, Fogo e Terra, mas carbono (C), reagindo com oxigênio (O2), na presença de energia térmica alta, produzindo gás carbônico (CO2), o que representamos assim:

    C + O2 -> CO2

    Isso é ciência. Os quatro elementos, atualmente, ficam para o lado do esoterismo. Já se sabe que isso não existe. Existem átomos e reações químicas.

    Depois, você pergunta para que os outros planetas servem. Naturalmente falando, eles não existem para servir para alguma coisa. Apenas existem. Porém, sabemos que eles (refiro-me aos planetas do Sistema Solar) têm enorme importância para a Terra. Servem de barreiras naturais contra corpos celestes que poderiam fazer grande estrago ao colidirem conosco. Em 1994, Júpter foi vítima de uma grande colisão com um corpo celeste. Já pensou se aquilo viesse na direção da Terra? Poderia ser o nosso fim…

    Isso nos leva a pensar como tudo parece colaborar para que a vida na Terra, e somente nela, seja perfeitamente possível. Ela está a uma distância ótima do sol, e nosso planeta não é nem muito quente, nem muito frio. Sua rotação (voltas em torno do próprio eixo) é ideal, bem como o movimento de translação (voltas em torno do sol), e até mesmo sua inclinação de 23º, que permite a existência de estações definidas, que beneficiam os seres vivos.

    Será mesmo possível que tudo isso tenha acontecido por acaso, por um acidente cósmico? A Bíblia diz que não. Os escritores bíblicos não tinham todo conhecimento, mas a Bíblia afirma ser a própria Palavra de Deus, ou seja, Deus é seu autor. Portanto, os escritores apenas relataram as informações que vinham Daquele que tem conhecimento total de tudo, a quem chamamos de Deus Onisciente.

    Nós nunca saberemos tudo, mas podemos confiar Naquele que sabe e revelou essas coisas a nós, bastando para isso acreditar Nele e em Seu Filho Jesus. (Isso já não é científico, mas nem por isso deixa de ser verdadeiro. Prove e veja que estou dizendo a verdade).

    Um grande abraço, Deus abençoe, e continue nos visitando,

    Daniel.

  51. Sei que esta matéria ja ha a algum tempo, porem me dei a curiosidade de questionar:

    “Por que existem os outros planetas?”

    Minha duvida não é biblicamente focada, e sim ciêntificamente, mas que se de fato temos a resposta biblicamente falando ja é o suficiente.

    Minha visão e conclusão é a seguinte:

    1 – Sabemos que tudo em nosso planeta, tudo aquilo provindo de reação quimica é resultante de alguma ação, atividade, ou mistura.

    Em outras palavras por exemplo, (Tudo em nosso universo, ou na terra, tem uma razão, e um proposito como por exemplo)

    A agua, A terra, O Fogo, O Ar, é um ciclo, e um depende do outro, ou é gerado artravéz de uma reação quimica provinda destes elementos.

    Saindo mais alem, sabemos que os animais, por si só provem de uma reação natural exemplo.

    O Macaco Precisa da banana, a Banana Precisa da Arvore, A Arvore precisa da terra, A Terra precisa da agua, A Agua precisa do ar(Vento). e tudo é um ciclo dependente um do outro.

    Por tanto sabemos que TUDO, TUDO EM NOSSO PLANETA necessariamente precisa de algo, ou algum fator para poder ser algo, ou alguem.

    Ai entra a minha duvida:

    (QUAL É A PARTICIPAÇÃO DE OUTROS PLANETAS EM NOSSAS VIDAS, SE BASTA-SE A EXISTENCIA DO SOL, E DA LUA?)

    Seria simplesmente para nada?
    Seria para brincarmos de viajar?
    Seria para ocupar espaço?
    Ta lá por conhecidência?

    Por que Deus teria o trabalho de cria-los?

    E algumas das suas explicações eu não concordei, esta muito vaga.

    Não digo que acredito que exista ETs, mas não digo que não exista.

    Muitas duvidas sonda nossa vida, e as coisas não são tão simples o suficiente para ser explicada em um biblia.

    Concordo com a biblia, mas tem tanta coisa envolvida, que até mesmo aqueles que escreveram e relataram, não tinha conhecimento suficiente para lhe dar com tudo envolvido em nossa humanidade.

    E acredito que nunca teremos conhecimento o suficiente.

  52. Cara Heloa,

    Não há evidência sólida de vida em outros planetas. Mas, usando este argumento teológico, é impossível que haja - exceto, talvez bactérias que acabaram indo junto com nossos foguetes.

    Minha opinião particular? Gosto muito de histórias de alienígenas, mas não acredito que eles existam. Não acredito que haja vida em outros planetas.

    Abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

  53. Princip,

    Que bom que ajudei. Quanto aos gigantes, a Bíblia diz que os gigantes foram eliminados por Israel na invasão e tomada de Canaã (que acontece no livro de Juízes), e nos séculos posteriores. Mas não deve ser só essa a causa de sua “extinção”. A Bíblia conta sobre sua origem, em Gênesis 6, de acordo com uma interpretação provável, defendida e explicada com muita coerência por Henry M. Morris, no livro, “Evolução ou Criação”, publicado pela Editora Fiel. Mas não fala explicitamente sobre o seu fim. Contudo, creio que (e veja bem o termo que eu uso: “creio”) podemos esquecer essa história de gigantes imensos, do tipo “joão-e-o-pé-de-feijão”. É provável que eles tivessem, no máximo, 4m de altura.

    Hoje, os “gigantes” que temos são aqueles que têm doenças, genéticas ou não, relacionadas ao crescimento. Veja, por exemplo Robert Wadlow, que atingiu 2,72m de altura – quase a altura estimada de Golias (3m – veja mais informações sobre Wadlow em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Robert_Wadlow>). O crescimento é regulado pela hereditariedade, condições alimentares e outros fatores.

    Mas podemos esperar que as lendas medievais e antigas sobre gigantes tenham fundamento em fatos, se concordarmos com essa interpretação bíblica – o que é o nosso caso aqui no blog.

    Abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

  54. obrigado pelas respostas…
    e tenho outra duvida:
    na Biblia fala sobre Gigantes como na historia de ló, qles eram considerados monstros pelo seu tamanho e aparencia, porque hoje emdia não existem Gigantes???

  55. Caro Princip,

    Obrigado pela visita e participação.

    Sua pergunta é relevante e bem apropriada ao tema. Para responder, precisamos ter em mente algumas informações. Em primeiro lugar, os hebreus não eram estudantes de astronomia ou astrologia. Aliás, a astrologia era condenada por Deus. Veja esse texto condenando a idolatria, em Deuteronômio 4:19:

    “… E para que, ao erguerem os olhos ao céu e virem o sol, a lua e as estrelas, todos os corpos celestes, vocês não se desviem e se prostrem diante deles, e prestem culto àquilo que o Senhor, o seu Deus, distribuiu a todos os povos debaixo do céu.” (NVI, grifo nosso)

    Isso possivelmente gerou uma cultura de não observar os céus, entre os hebreus (por medo de desobedecerem a Deus, aboliram astrologia e astronomia, confundindo ambas, prática relativamente comum ainda hoje). Consequentemente, não produziram textos que falem de planetas, meteoros, cometas etc. Mas veja que esse texto cita sol, lua e estrelas – as espécies astronômicas mais evidentemente identificáveis do céu -, e acrescenta “todos os corpos celestes”, termo que inclui todas as outras espécies.

    Por outro lado, a Bíblia usa a “linguagem da aparência”. As pessoas que a escreveram não eram cientistas, e não dispunham de instrumentos de medição, como os telescópios, inventados no século XVII (1). Portanto, descreviam as coisas como as viam. Qualquer um que observar o céu sem um telescópio e sem conhecimento prévio da diferenciação de brilho entre planetas e estrelas, julgará ver somente estrelas, já que tudo aquilo cintila! (Mas veja a interessante observação do apóstolo Paulo em 1 Coríntios 15:40-41.)

    Portanto, podemos dizer que a Bíblia fala de planetas sim. Indiretamente, mas fala.

    Abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

  56. Caro Marco Vinicius,

    Obrigado pela visita e pela participação.

    Seu post foi interessante, porque é justamente isso o que o Evangelho diz.

    Nosso Criador, sem dúvida, está além da Terra, sem deixar de tê-la visitado já uma vez, na pessoa de Seu Filho Jesus Cristo, e prometido que voltará.

    Aqueles que fizeram um “contato imediato de terceiro grau” Ele poder nascer de novo; começam a ter cada vez mais contato, até o ponto que serão levados daqui, e viverão para sempre com Ele.

    E viveremos em um novo céu e uma nova Terra. Sem problemas de superpopulação.

    Abraço e Deus abençoe,

    Daniel.

  57. O uniserso é imenso,porém vamos nos ater ao planeta terra e raciocinar,que DEUS num ato de amor
    incondicional e direcionado,de tempos em tempos entrou em contato com todos os seres humanos da TERRA,hora em “PESSOA”,hora através de seus mensageiros…
    …porém sem muito blá,blá ,blá o nosso CRIADOR é sem dúvida alguma extraterrestre e universalista!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s